|
A+ / A-

OE 2020

Ministro da Economia diz que Governo tem dificuldade em executar o investimento público

16 jan, 2020 - 17:56 • Sandra Afonso

Pedro Siza Vieira fala em concursos que ficam desertos e outros que são impugnados.

A+ / A-

O ministro da Economia admite que o Governo tem dificuldades em executar o investimento público. Siza Vieira diz que há dinheiro, mas o problema é levar os concursos públicos até ao fim.

Segundo Pedro Siza Vieira, “o país tem uma situação financeira sólida, que lhe permite projetar a possibilidade orçamental de fazer um ritmo de investimento público significativo, assim possamos nós ter a capacidade de execução dos projetos para que temos dinheiro disponível. Nós temos hoje grandes dificuldades de execução do nosso investimento público”

Ouvido esta quinta-feira no parlamento, no âmbito do Orçamento do Estado para 2020, o ministro dá como exemplo os muitos concursos que caem por falta de interessados ou a impugnação de um recente concurso na CP.

“A CP fez um concurso para a aquisição de um volume significativo de material circulante. Imediatamente após conhecida a decisão de adjudicação, um concorrente preterido intentou um processo de impugnação da decisão, que vai suspender este processo por vários meses, pelo menos. Isto está a acontecer sistematicamente”, diz.

“Tivemos situações em que muitos concursos, lançados para a execução de empreitadas de obras públicas, ficaram desertos, porque nenhum concorrente apresentou proposta compatível com o preço base estabelecido, o máximo que as propostas em Portugal podem ter”.

O ministro da Economia retoma ainda a polémica aberta pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, ao defender que nem todas as empresas são produtivas. Pedro Siza Vieira aponta mesmo um sector em particular, que trava a economia: a banca.

“Há empresas altamente produtivas, com níveis de produtividade semelhantes às das congéneres europeias, e outras que estão mal. Há um setor que, só por si, contribui para que a produtividade não cresça mais depressa, que é o setor financeiro.”

“O setor financeiro em Portugal, que tem um peso muito significativo no PIB, tem tido significativa redução dos seus proveitos. Se não tivéssemos esse peso, o crescimento da produtividade era muito superior”, concluiu Pedro Siza Vieira.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    16 jan, 2020 Lisboa 18:47
    Se calhar o tal investimento só é solido em ... bolotas. Não aparecem interessados porque o governo quer tudo e mais alguma coisa, ao preço da chuva, já para que não haja obra e esse dinheiro fique "naturalmente cativado".