|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Metade dos peões sente-se inseguro nas passadeiras à noite

15 jan, 2020 - 15:37 • Liliana Monteiro

Estudo encomendado pela Associação Portuguesa de Sinalização e Segurança Rodoviária revela que grande parte das estradas não tem marcas rodoviárias em condições e que a sinistralidade rodoviária custa três mil milhões de euros.

A+ / A-

Estradas com poucas ou nenhumas marcações, sinais de trânsito suficientes, mas desadequados, medo de circular e atravessar estradas, são algumas das conclusões do estudo da consultora PricewaterhouseCoopers (PWC) sobre “A maturidade da sinalização e segurança rodoviária em Portugal”.

De acordo com o documento, 50% dos cidadãos inquiridos classifica os equipamentos de segurança rodoviários como razoáveis. Considera também que existe uma relação intrínseca entre as condições da sinalização e sentimento de segurança de quem usa as vias rodoviárias.

O estudo revela ainda que a maioria dos acidentes acontece dentro das localidades e que a sinistralidade rodoviária custa ao país três mil milhões de euros.

Para este estudo, encomendado pela Associação Portuguesa de Sinalização e Segurança Rodoviária (AFESP), foram inquiridas por telefone 1.001 cidadãos de 18 distritos e das duas regiões autónomas, além de 32 questionários presenciais realizados numa estação de serviço e no aeroporto de Lisboa e alguns workshops.

O objetivo foi fazer a radiografia das estradas e sinalização pelos olhos de quem se cruza com eles todos os dias (peões e automobilistas de ligeiros, pesados), turistas e empresários do sector.

Principais conclusões do estudo:

Peões:

  • Consideram que a sinalização é suficiente, mas desadequada: ou não está pintada, ou encontra-se tapada com vegetação, ou está virada ao contrário, etc (...)
  • 50% dos inquiridos disse que se sente totalmente inseguro ao atravessar uma passadeira à noite numa estrada nacional ou municipal.

Condutores de Pesados:

  • 70% dos condutores de veículos pesados dizem que as marcas rodoviárias são pouco, ou nada, visíveis.
  • 52% consideram que a sinalização vertical é 'pouco visível' e sinalizações temporárias insatisfatórias.
  • Sinalizações luminosas são 'moderadamente visíveis'.
  • 56% consideraram as autoestradas as vias em melhor estado de conservação.

Condutores de automóveis e motociclos:

  • Sinalização nas estradas municipais e nacionais inadequada.
  • Destacam os sinais luminosos como os mais positivos.

Turistas:

  • 44,1% consideram que sinalização vertical e temporaria é deficiente. Não têm boa impressão da sinalização Portuguesa.

Empresários do sector:

  • Nos últimos 10 anos houve um desinvestimento na fiscalização da sinalética rodoviária. Aumento da degradação dos equipamentos.
  • O preço mais baixo é o principal índice que se tem em conta na hora de adjudicar contratos.
  • Inexistência de formação especifica no sector. Necessário criar um curso académico especifico para o sector rodoviário.
  • A Associação Portuguesa de Sinalização e Segurança Rodoviária, única representante do sector empresarial rodoviário devia ter um papel de fiscalização dos empresários.
  • Entidades públicas criam as maiores dificuldades aos empresários do sector na fase de adjudicação de contratos. Trâmites legais complexos.
  • Descentralização de competências levou cada freguesia ou município a fazer uma gestão especifica da sinalização rodoviária, com padrões muito distintos.

Sinistralidade custa três mil milhões de euros

  • Três mil e 300 milhões é quanto custa ao nosso país a sinistralidade (dados de 2016).
  • Entre 2012 e 2018 registou-se um aumento de acidentes e vitimas mortais (em 2018 foram 600 vitimas).
  • É dentro das localidades, nos arruamentos que ocorrem mais acidentes. Fora das localidades a sinistralidade aumenta nas vias municipais.
  • A maioria dos acidentes resulta de colisões entre veículos ou contra obstáculos.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • rita
    15 jan, 2020 Canadá 18:28
    De noite ou de dia. Mesmo com sinais os condutores não obedecem às regras de condução principalmente nas passadeiras. Aconselho que a polícia esteja sempre de vigia e dê multas pesadas. Só assim se educa!!!