|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Há fruta tropical a nascer na Serra da Estrela

15 jan, 2020 - 09:52 • Liliana Carona

Nem a geada nem as temperaturas negativas impediram João Gomes, agricultor de 70 anos, de começar a produzir frutas vindas do Brasil na Serra da Estrela.

A+ / A-

É preciso ver para crer que, em Nabais, com vista para a Serra da Estrela, nasçam pitaias, anonas, goiabas, abacates e mais frutas tropicais. “É um vício isto”, assume à Renascença João Gomes.

“Pode tirar fotografias”, diz em tom de desafio o agricultor de 70 anos, que herdou da mãe o gosto pela plantação de árvores de fruto.

Foi na Internet que descobriu o vasto universo das frutas tropicais. “Não há uma semana em que não pesquise uma planta”, afirma. “Vou ao Google e depois partilho no Facebook”, acrescenta.

As raízes vêm do Brasil. “Encontrei um viveirista que me envia” e as frutas vão surgindo nos 15 hectares que sobrevivem ao inverno rigoroso.

“Podemos ter isto num canto qualquer, qualquer pessoa pode ter, mas as que não que se aguentam na geada têm que ser cobertas”, explica João Gomes, acrescentando que usa adubo biológico.

Mesmo à beira da Nacional 17, conhecida pela Estrada da Beira, quem passa é convidado a provar e a conhecer as propriedades medicinais de cada fruta – sejam as tropicais da América do Sul ou as europeias, como a groselha.

Agricultor dedica-se à produção de frutos tropicais na Serra da Estrela
Agricultor dedica-se à produção de frutos tropicais na Serra da Estrela

“Tire uma baga de groselha preta. Tem muito antioxidante. Mesmo um cancro não avança. Os espanhóis vêm cá buscar esta fruta”, garante o agricultor, que tem mais de uma centena de plantações diferentes.

“Tamarilho, graviola, pera-melão (um quilo custa 20 euros), pera-abacate, goiaba, acerola, mais de 100 plantas a contar com as medicinais: hortelã, tomilho, menta, orégãos, erva cidreira, poejos”, são alguns exemplares da vasta lista.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.