|
A+ / A-

Estrangeiros a viver em Portugal são mais de 500 mil "pela primeira vez na história"

15 jan, 2020 - 13:22 • Lusa

A revelação foi feita pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, durante a discussão na especialidade do Orçamento do Estado para 2020.

A+ / A-

O número de cidadãos estrangeiros a residir em Portugal ultrapassou a fasquia do meio milhão. Eram mais de 500 mil no ano passado, o que acontece “pela primeira vez na história” do país, anunciou, esta quarta-feira, no parlamento, o ministro da Administração Interna.

“Os dados preliminares levam a dizer que em 2019, pela primeira vez na nossa história, é ultrapassada a barreira do meio milhão de cidadãos estrangeiros a residir em Portugal”, disse Eduardo Cabrita no âmbito da discussão na especialidade, na Assembleia da República, do Orçamento do Estado para 2020.

Segundo o ministro, residiam em Portugal 580 mil cidadãos estrangeiros no final do ano passado e, em 2018, esse número era situava-se nos 490 mil.

O governante frisou também que o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) passou de 35 mil para 135 mil novas autorizações de residência, comparando 2015 a 2019.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    15 jan, 2020 Lisboa 17:37
    Mão-de-obra barata pronta para ser explorada até ao tutano, pelos nossos "empresários", os tais da construção civil, hotelaria, padaria portuguesa e afins. O que vale é que aparte alguns mais enérgicos, a maioria são "mansos" como os naturais. Gostam de tirar fotografias e sussurrar na língua deles, são um bocado inconvenientes e desrespeitosos para com as mulheres, mas até agora não há caso nenhum, pelo menos conhecido, de terem içado a bandeira dos países deles por cá, e declararem a "independência" daquele bocado de terra. Estão-se a rir? Até parece que não aconteceu já, noutros lados ...