|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Se não atualiza o telemóvel desde 2013 pode deixar de conseguir usar o Whatsapp

14 jan, 2020 - 07:32 • Joana Bourgard

Os telemóveis com sistemas operativos anteriores às versões iOS 7, para os iPhone, e 2.4.7, nos Android, deixam suportar a aplicação de troca de mensagens.

A+ / A-

O Whatsapp, uma das aplicações de troca de mensagens mais usadas no mundo, vai deixar de funcionar em modelos de telemóveis com versões anteriores a 2011 e 2013. O anúncio foi feito pelo Facebook, detentor do Whatsapp, no último dia de 2019.

A aplicação deixa de estar disponível para utilizadores de iOS que se mantenham na versão iOS 7, lançada em 2013, e para os utilizadores de Android com versões anteriores à 2.3.7, de 2011.

Apesar de novas versões dos sistemas operativos dos telemóveis estarem disponíveis, nem todos os dispositivos conseguem suportar atualizações. É o caso do Nexus S ou do Samsung Galaxy S, no caso dos Androids. Para quem tem um telemóvel da Appel, as últimas versões lançadas com iOS7 são os modelos 5S e 5C. Os sistemas operativos móveis mais recentes vão nas versões iOS12 e 10.0, para Android.

A aplicação, criada em 2009 por dois antigos funcionários da Yahoo, revolucionou as trocas de mensagens ao usar dados em vez da rede telemóvel. Dois anos depois do seu lançamento, já era uma das aplicações no top 20 da Apple e depressa passou dos 250 mil para 1.5 mil milhões de utilizadores. Apenas cinco anos depois do seu lançamento, em fevereiro de 2014, foi comprada pelo Facebook por 19 mil milhões de dólares.

O Whatsapp é usado em mais de 180 países, onde a Índia domina com cerca de 300 milhões de utilizadores. Desde 2017 que o Whatsapp está bloqueado na China. Por dia, são enviadas 65 mil milhões de mensagens, 29 milhões por minuto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.