|
A+ / A-

Dirigentes da ANSR provisórios há um ano. Associação defende extinção de Comissão de Recrutamento

14 jan, 2020 - 11:16 • André Rodrigues , Cristina Nascimento

Associação Transparência e Integridade diz que Comissão de Recrutamento tem validado a partidarização na Administração Pública.

A+ / A-

A Associação Transparência e Integridade defende a extinção da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública (CReSAP). Em causa está a situação dos dirigentes da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária, que estão em funções há um ano em regime de substituição, quando a lei prevê um período mais reduzido.

A situação é inaceitável, diz João Paulo Batalha, presidente da secção portuguesa da associação, que advoga a extinção deste organismo.

“O que devemos fazer é extinguir a CReSAP e decidir o que são cargos de nomeação política e o que são cargos de administração pública”, afirma.

João Paulo Batalha diz ainda que a comissão “que foi criada com a promessa de despartidarizar a Administração Pública, o que tem feito é validar a partidarização da Administração Pública”.

O mesmo responsável refere ainda que há casos em que, “pelo menos, um concurso foi anulado, assumindo-se que foi anulado porque não foi escolhida a pessoa que o membro do Governo queria”.

Esta reação surge depois de se saber que tanto o presidente como a vice-presidente da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) continuam a exercer o cargo em regime de substituição há um ano, apesar das suspeitas que recaíram sobre os nomes escolhidos pelo Governo. A Renascença sabe que ainda não foi aberto qualquer concurso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.