|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Caso das mortes no Meco. "Hoje foi, nos últimos seis anos, o dia menos triste na vida dos pais"

14 jan, 2020 - 13:35 • Liliana Monteiro

Advogado das familias explica que indemnização de 13 mil euros é dirigida a todos os pais, apesar de a queixa ter sido feita apenas no nome de um deles.

A+ / A-

O advogado das familias das vítimas da tragédia da Praia do Meco, Vitor Parente Ribeiro, diz que os pais dos jovens receberam a notícia da decisão do Tribunal Europeu dos Direitos do Homem "com muita emoção".

"Receberam esta notícia com muita emoção porque alguém lhes disse que tinham razão na luta que travaram e que o Estado português sempre lhes negou", diz Parente Ribeiro, em declarações à Renascença.

"A investigação começou tarde, não houve preservação da prova, as diligências foram tardias, defraudou-se o inquérito e isso levou a que houvesse um despacho de arquivamento sem hipótese de julgamento. A prova foi toda contaminada por má investigação do Ministerio Público", sublinha o advogado.

"Desde a primeira hora que os pais se opunham à forma como decorreu a investigação. Não percebiam porque motivo o Ministério Público adoptou a postura de contradição perante os pais e de considerar que tudo tinha sido um acidente, quando se percebeu que o que ocorreu naquela praia foi uma praxe", sublinha Parente Ribeiro.

"Hoje foi, nos ultimos seis anos, o dia menos triste na vida dos pais", aponta.

O Estado Português foi condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem a pagar 13 mil euros às famílias dos seis jovens que perderam a vida na praia do Meco a 15 de dezembro de 2013.

Vítor Parente Ribeiro lamenta que nada mais possa ser feito em matéria criminal: "Não poderemos fazer mais nada, a prova está prejudicada tal como constatou o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem."

No plano da responsabilidade civil, as famílias aguardam o início do julgamento do processo em que pedem responsabilidades à Universidade Lusofona e ao "Dux".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.