|
A+ / A-

Em livro

Bento XVI defende que celibato de sacerdotes “tem um grande significado”

12 jan, 2020 - 22:47 • Aura Miguel

Papa emérito escreve que o celibato é “indispensável para que o nosso caminho na direção de Deus permaneça o fundamento da nossa vida”. Francisco deverá tomar nas próximas semanas uma decisão em relação à ordenação de homens casados na Amazónia.

A+ / A-

Sete anos depois da resignar, aos 92 anos, Bento XVI quebra o silêncio para defender o celibato dos padres, num livro escrito a quatro mãos com o cardeal Robert Sarah.

Com o título, “Des profondeurs de nos coeurs” (Das profundezas dos nossos corações), o livro editado pela Fayard, será publicado em França na próxima quarta-feira, dia 15.

O livro é constituído por textos do Papa emérito e do cardeal guineense. Segundo o jornal Figaro que na edição desta segunda-feira antecipa excertos da obra, ambos os autores consideram-se “bispos” em “obediência filial ao Papa Francisco”, que “procuram a verdade”, em “espírito de amor à unidade da Igreja”.

Os autores citam a frase Santo Agostinho “Silere non possum!” (Não posso calar-me!), para se referirem ao “estranho sínodo dos media”, no contexto do último sínodo dos bispos sobre a Amazónia e pedem à Igreja para não se deixarem “impressionar” por esquemas e estratégias “teatrais”, nem pelas “mentiras diabólicas” e “erros da moda que querem desvalorizar o celibato sacerdotal”.

Bento XVI defende teologicamente as raízes do celibato, recusa as teses do luteranismo e demonstra que sacerdócio e celibato estão unidos desde “a nova aliança” de Deus com a humanidade realizada em Jesus. O Papa emérito sublinha o caracter ontológico do celibato: “da celebração diária da eucaristia, que implica um estado ao serviço de Deus permanente, nasce espontaneamente a impossibilidade de uma ligação matrimonial. Pode-se dizer que a abstinência sexual que era funcional, transformou-se ela própria em abstinência ontológica.”

O livro, com 175 páginas, considera “urgente e necessário que todos, bispos, padres e leigos, recuperem um olhar de fé sobre a Igreja e sobre o celibato sacerdotal que protege o seu mistério”.

A sua publicação, para já em língua francesa, antecipa-se à Exortação apostólica pós-sinodal do Papa Francisco, onde se conhecerá a sua decisão sobre o pedido dos padres sinodais para se ordenar homens casados, a título excecional, na região pan-amazónica.

A confirmar-se a autorização para se ordenarem homens casados na região amazónica tratar-se-á de uma inovação em relação à tradição de quase mil anos de sacerdócio na Igreja Católica de rito latino. Apesar de a Igreja de rito latino ser de longe a maior, a Igreja Católica inclui mais de 20 ritos conhecidos como orientais, que têm a sua própria liturgia e tradições, incluindo, em quase todas, a possibilidade de se ordenar homens casados. Já existem, por isso, milhares de padres católicos casados.

A par dessa realidade existem vários casos em que padres anglicanos, ou de outras igrejas protestantes, pediram para entrar em comunhão com Roma e voltaram a ser ordenados, não obstante serem já casados. A mais recente vaga que aderiu à Igreja Católica fê-lo ao abrigo de uma autorização concedida precisamente por Bento XVI, há pouco mais que uma década, para membros da Igreja Anglicana que queiram entrar em comunhão com a Igreja Católica, sem perder partes do seu património litúrgico e espiritual.

Vaticano desdramatiza

A notícia da publicação do livro, sobretudo nesta altura, gerou alguma controvérsia, com insinuações de deslealdade por parte de Bento XVI, que quando resignou prometeu que se ia remeter ao silêncio.

Esta segunda-feira a Santa Sé procurou distanciar-se de qualquer interpretação polémica, através de um comunicado da autoria do porta-voz da Sala de Imprensa.

O comunicado recorda que mesmo que seja adoptada uma solução diferente para a Amazónia, devido à escassez de padres, Francisco também valoriza o celibato e não pretende fazer da exceção a regra.

"É conhecida a posição do Santo Padre sobre o celibato. Durante a conversa com os jornalistas, no regresso do Panamá (janeiro 2019), o Papa Francisco afirmou: 'Lembro-me de uma frase de São Paulo VI: prefiro dar a minha vida antes de alterar a lei do celibato' e acrescentou: 'Pessoalmente penso que o celibato é um dom para a Igreja. Eu não concordo que se permita o celibato opcional, isso não. Permaneceria apenas alguma possibilidade nas localidades mais remotas – penso nas ilhas do Pacífico… - quando há necessidade pastoral, aí, o pastor deve pensar nos fiéis'", lê-se.

"Sobre o modo como este argumento se insere no trabalho mais geral do recente Sínodo sobre a região Pan-amazónica e sua evangelização, durante a sessão conclusiva, o Santo Padre afirmou: 'Apreciei muito que não tenhamos ficado prisioneiros destes grupos seletivos que, do Sínodo, só querem ver o que foi decidido sobre este ou aqueloutro ponto intra-eclesiástico e negam o corpo do Sínodo que são os diagnósticos que fizemos em quatro dimensões' (pastoral. Cultural, social e ecológica)".

[notícia atualizada]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo Assim
    13 jan, 2020 21:10
    O Homem, na sua essência é um pólo, de nada serve, nem nada irá encontrar, no isolamento mesmo severamente introspectivo (Nietzsche) ou penitencial, tal como a corrente eléctrica nada gera na ausência do outro pólo mesmo sendo ele de potência magnífica. O Homem gera emoção e só isso tem interesse para Deus e por essas mesmas emoções será considerado apto ou inapto. Não se pode calar, nem deve, algumas considerações sobre o assunto, está dito, quem sabe do que se está falando, em termos de subconsciente, fica satisfeito com a abordagem do assunto desta forma, tinha de ser dito e foi, sobre as ilações e transposições para a vida mundana deste facto de forma a tentar clarificar a nítida fidelidade ao Papa, cada um por si, os que espalham continuam espalhando. O ideal seria conhecerem a experiência que me foi oferecida mas também não sou eu que vou tecer considerações sobre esse assunto com vós, mais ou menos assim afirmado pelo autor das cartas e por outro lado seria contraproducente porque só pode ser por convite.
  • Joaquim Santos
    12 jan, 2020 Tojal 23:50
    "No livro, Bento XVI e Robert Sarah defendem que “é urgente, necessário, que todos, bispos, sacerdotes e leigos, redescubram um olhar de fé na Igreja e no celibato sacerdotal que protege o seu mistério”. Além disso, citando Santo Agostinho, ambos afirmam: “Silere non possum! Não posso ficar calado!”. O livro defende o celibato. O autor deste artigo busco o contrário a partir de uma verdade. Estejam calmos em breve virá um novo conclave. Um novo papa estando os outros ainda vivos. Ele permitirá o casamento de sacerdotes, a ordenação de sacerdotisas e até abolirá a Santa missa! Porém daí até à derrota total dos traidores decorrem 1260 dias. É bom começar a tomar posição para que lado quereis pender?!