|
A+ / A-

​Congresso do Livre vai votar moção para afastar Joacine

13 jan, 2020 - 15:48 • Cristina Nascimento

Se a deputada não se retirar de funções, moção propõe retirada da confiança política.

A+ / A-

Joacine Katar Moreira, a única deputada eleita pelo Livre, é o principal alvo de uma das moções que serão votadas no congresso do partido, a realizar-se nos dias 18 e 19 de janeiro.

O texto da quinta moção, intitulada "Recuperar o LIVRE, resgatar a política", pretende afastar Joacine Katar Moreira das suas funções de deputada e, caso ela não o faça, que lhe seja retirada a confiança política.

A notícia é avançada pelo jornal online Observador. No texto da moção, disponível no site do partido, os autores do texto escrevem que “as causas defendidas pelo LIVRE parecem não conseguir sobrepor-se ao ruído constante provocado pelos ‘faits divers’ mais estapafúrdios; em que o coletivo parece soçobrar numa desmedida exposição mediática do indivíduo; em que o partido se arrisca a ver a sua própria sobrevivência posta em causa”.

“Assim sendo, no caso de a deputada não se dispuser a renunciar às suas funções, o LIVRE não tem outra alternativa a não ser retirar-lhe a confiança política”, remata o documento assinado por cinco elementos do partido.

Joacine Katar Moreira foi eleita a 6 de outubro de 2019, depois do Livre ter arrecadado pouco mais de 1% dos votos dos eleitores. Desde o início do seu mandato no Parlamento, a deputada viu-se envolvida em várias polémicas, sendo a mais recente relacionada com o sentido de voto sobre o Orçamento do Estado para 2020.

No texto da moção, os signatários escrevem que a eleição de uma deputada encheu os apoiantes do partido “de entusiasmo e esperança, pois existiam agora as condições para que os valores defendidos pelo partido passassem a ser conhecidos por mais e mais pessoas”. “Todavia, não foi assim que as coisas se passaram. É verdade que o LIVRE começou a ser mais conhecido dos portugueses, mas não pelas razões que pretendíamos. O LIVRE ficou conhecido, é hoje conhecido, devido às peripécias, atribulações e polémicas internas em que se viu envolvido”, acrescenta o texto.

A moção critica ainda a atuação da deputada do ponto de vista político, referindo que “a situação é não apenas preocupante como confrangedora: apenas duas iniciativas foram apresentadas pela deputada (Projeto de Lei 126/XIV e Projeto de Resolução 64/XIV), sendo a primeira, o projeto de lei de alteração à lei da Nacionalidade, de particular relevância para o partido, foi apresentada fora do prazo. Mesmo tendo em conta que o trabalho parlamentar se estende para além do hemiciclo, é manifestamente pouco...”

O congresso do Livre vai realizar-se em Lisboa, no Centro Cívico Edmundo Pedro. No site do partido estão disponíveis os textos de 18 moções que vão a votos. Este será o nono congresso da história do partido e elegerá os órgãos nacionais do Livre para o biénio 2020/ 2022.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    13 jan, 2020 Lisboa 17:46
    E se ela resolver ficar como "independente" como é que vocês correm com ela?