|
A+ / A-

Glória do futebol turco é motorista nos Estados Unidos após ter sido perseguido por Erdogan

13 jan, 2020 - 20:14 • Redação

Hakan Sukur foi forçado a deixar a Turquia. No total, somou 51 golos em 112 jogos pela seleção turca e apontou o golo mais rápido da história de um Campeonato do Mundo, em 2002, contra a República da Coreia.

A+ / A-

Hakan Sukur, antigo internacional turco, é, hoje em dia, motorista da "Uber" nos Estados Unidos da América, depois de ter sido obrigado a deixar a Turquia por ter sido perseguido por Erdogan.

Numa entrevista à revista "Focus", o ex-avançado recorda o problema começou quando decidiu deixar o partido.

"Começaram logo as hostilidades. A loja da minha esposa foi apedrejada, os meus filhos foram assediados e meu pai preso. Não tenho mais nada em nenhum lugar do mundo. Erdogan apoderou-se de tudo o que era meu: o direito à liberdade, o direito de me explicar, de me expressar, o direito ao trabalho", disse.

Enquanto jogador, Sukur representou o Sakaryaspor, Bursaspor, Galatasaray, Torino, Inter de Milão, Parma e Blackburn Rovers. Somou 51 golos em 112 jogos pela seleção turca e apontou o golo mais rápido da história de um Campeonato do Mundo, em 2002, contra a República da Coreia.

Hoje em dia, vive em Washington, é motorista da Uber e deixou o apelo para que o país regresse a um regime democrático.

"Regresse à democracia, à justiça e aos direitos humanos. Seja alguém que se preocupa com os problemas dos indivíduos. Torne-se no presidente que a Turquia precisa", termina.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.