Tempo
|
A+ / A-

Presidentes da Ucrânia e do Irão marcam conversa ao telefone sobre abate de avião

11 jan, 2020 - 10:38 • com Reuters e Lusa

Volodymyr Zelenskiy já veio pedir justiça a Teerão, depois de as autoridades iranianas terem admitido que abateram, inadvertidamente, o avião ucraniano que se despenhou na quarta-feira. Canadá pede transparência.

A+ / A-

O Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, deverá falar ao telefone neste sábado com o seu homólogo iraniano, Hassan Rouhani. A conversa foi marcada depois de Teerão ter admitido que abateu o avião de passageiros das linhas aéreas ucranianas.

A admissão do erro – que os mais altos representantes do Irão já vieram lamenta e que o ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros atribui à “de crise causada pelo aventureirismo dos EUA” – aconteceu este sábado.

O Presidente iraniano diz ter sido um “erro desastroso”, que lamenta profundamente.

Do lado da Ucrânia, o chefe de Estado já exigiu a punição dos responsáveis pelo abate do avião, que levava a bordo 176 pessoas a bordo, e o pagamento de indemnizações por parte do Irão.

"A manhã trouxe a verdade. A Ucrânia insiste num pleno reconhecimento de culpa. Esperamos do Irão que leve os culpados à justiça, devolva os corpos, pague uma indemnização e publique um pedido de desculpas oficial", escreveu Volodymyr Zelensky na sua conta do Twitter.

"A investigação tem de ser completa, aberta e deve continuar sem atrasos ou obstáculos", acrescentou.


Canadá fala em “tragédia nacional”

O primeiro-ministro do Canadá, país de origem de dezenas de passageiros que morreram na queda do avião, exige "transparência" na realização de um "inquérito completo e aprofundado" para apurar responsabilidades.

"A nossa prioridade continua a ser esclarecer este caso num espírito de transparência e justiça", afirma Justin Trudeau num comunicado.

"Esta é uma tragédia nacional e todos os canadianos estão de luto. Vamos continuar a trabalhar com os nossos parceiros em todo o mundo para garantir a realização de um inquérito completo e aprofundado", afirma ainda.

O primeiro-ministro canadiano acrescenta que "o Governo do Canadá espera a plena colaboração das autoridades iranianas" e sublinha, na sua conta no Twitter, que “as famílias das vítimas têm perguntas e merecem respostas”.


"O inquérito interno das forças armadas concluiu que lamentavelmente mísseis lançados por engano provocaram a queda do avião ucraniano e a morte de 176 inocentes", admitiu o Presidente iraniano, Hassan Rohani, neste sábado.

"As investigações continuam para identificar e levar à justiça" os responsáveis, garantiu.

O Boeing 737 da companhia Ukrainian Airlines despenhou-se na quarta-feira nos arredores de Teerão, causando a morte de todas as 176 pessoas a bordo, na maioria iranianos e canadianos.

O acidente ocorreu horas depois do lançamento de 22 mísseis iranianos contra duas bases da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, em Ain Assad e Erbil, no Iraque, numa operação de vingança pela morte do general iraniano Qassem Soleimani.

Até agora, o Irão tinha recusado qualquer responsabilidade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.