Tempo
|
A+ / A-

Morreu o sultão de Omã

11 jan, 2020 - 09:49 • Lusa

Tinha 79 anos e estava no poder desde 1970. Manteve-se sempre neutro face aos conflitos no Golfo e no Médio Oriente entre sunitas e xiitas. Foram decretados três dias de luto.

A+ / A-

O sultão Qabus bin Said de Omã, que reinava há quase 50 anos, morreu na sexta-feira à noite aos 79 anos, vítima de doença prolongada, anunciou a agência de notícias oficial.

"É com tristeza (...) que o sultanato de Omã chora (...) o nosso sultão Qabus bin Said (...) chamado por Deus na sexta-feira à noite", indicou a agência, ao anunciar a morte do chefe de Estado.

Sem pormenores sobre a causa de morte, a agência indicou que foram decretados três dias de luto, com paragem do setor público e privado, e um período de 40 dias durante o qual as bandeiras vão permanecer a meia haste.

O sultão de Omã, que não deixou descendência, nem anunciou um sucessor, sofria há vários anos de uma doença que nunca foi tornada pública. O estado de saúde do monarca era uma questão muito sensível e mantida em segredo, à exceção de algumas viagens ao estrangeiro para exames ou tratamentos médicos.

Qabus chegou ao poder em 1970, depois de afastar o pai Said bin Taimur num golpe palaciano, e a ele é atribuída a modernização e desenvolvimento do país árabe, que conta com grandes reservas de petróleo tal como os vizinhos do golfo Pérsico.

Ao longo do seu reinado, o sultanato manteve-se afastado dos conflitos no golfo e no Médio Oriente, mantendo uma posição neutral entre o eixo sunita, liderado pela Arábia Saudita, e o xiita, encabeçado pelo Irão.

Embora de baixa intensidade, foi o primeiro Governo do Golfo Pérsico a estabelecer laços com Israel.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+