Tempo
|
A+ / A-

Irão admite ter abatido avião ucraniano e pede desculpa. "Foi um erro desastroso"

11 jan, 2020 - 09:06 • Marta Grosso com Lusa e Reuters

O Boeing 737 da companhia aérea Ukrainian International Airlines caiu poucos minutos depois de ter descolou de Teerão e umas horas depois de o Irão ter atacado bases norte-americanas no Iraque.

A+ / A-

O Irão admitiu neste sábado que o avião ucraniano que se despenhou na quarta-feira em Teerão foi abatido inadvertidamente por militares iranianos, noticiou a televisão estatal. A declaração atribuiu o derrube do aparelho a um erro.

Até aqui, o Irão tinha negado que um míssil fosse responsável pelo acidente.

Mas os Estados Unidos e o Canadá afirmavam o contrário, baseados em informações dos respetivos serviços de segurança.

“A República Islâmica do irão lamenta profundamente este erro desastroso”, afirma o Presidente Hassan Rouhani na rede social Twitter, prometendo condenar os responsáveis pelo incidente.

“Os meus pensamentos e orações estão com as famílias das vítimas”, adianta.


Também o ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Javad Zarif, ao anunciar as conclusões preliminares da investigação das Forças Armadas, lamenta o erro, ocorrido sublinha na sequência do “aventureirismo dos EUA”.

“Um erro humano numa altura de crise causado pelo aventureirismo dos EUA levou ao desastre. O nosso profundo lamento, um pedido desculpas e condolências às famílias de todas as vítimas e às nações afetadas”, lê-se na mensagem no Twitter.


O avião, um Boeing 737 da companhia aérea Ukrainian International Airlines, descolou de Teerão, com destino a Kiev, despenhando-se dois minutos após a descolagem nos arredores da capital iraniana.

O acidente ocorreu horas depois do lançamento de 22 mísseis iranianos contra duas bases da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, em Ain Assad e Erbil, no Iraque, numa operação de vingança pela morte do general iraniano Qassem Soleimani.

O aparelho, com destino a Kiev, transportava 167 passageiros e nove tripulantes de várias nacionalidades, incluindo 82 iranianos, 11 ucranianos, dez suecos, quatro afegãos, três alemães e três britânicos.

Na sexta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros canadiano reviu em baixa que o número de vítimas do país, que passou de 63 para 57, após uma "análise aos documentos de viagem das vítimas".

No entanto, o número total de passageiros que tinham como destino final o Canadá mantém-se em 138, disse François-Philippe Champagne, em conferência de imprensa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.