Tempo
|
A+ / A-

Guarda iraniana assume “responsabilidade total” por abate de avião. “Desejei ter morrido”

11 jan, 2020 - 13:31 • Marta Grosso com Reuters e Lusa

Comandante da brigada aeroespacial da Guarda da Revolução diz, em vídeo, que o erro que levou ao abate do avião de passageiros pôs “em causa a reputação [iraniana] perante Deus Todo-Poderoso”.

A+ / A-
“Preferia ter morrido a ter visto uma coisa destas”. Irão assume culpa pela queda de avião ucraniano
“Preferia ter morrido a ter visto uma coisa destas”. Irão assume culpa pela queda de avião ucraniano

"Assumo responsabilidade total", afirmou neste sábado o comandante da brigada aeroespacial da Guarda da Revolução Iraniana. Numa declaração transmitida pela televisão, Amirali Hajizadeh afirmou que "preferia ter morrido a assistir” à queda do avião ucraniano que matou 176 pessoas.

“Quando tive a confirmação [do erro], desejei ter morrido para não ter visto uma coisa destas. A Guarda Revolucionária Iraniana sempre se dispôs a morrer pelo povo. Hoje, está em causa a nossa reputação perante Deus Todo-Poderoso. E nestas circunstâncias muito difíceis, estou aqui perante vós para explicar o que aconteceu”, começou por dizer, depois de, nesta manhã, o Presidente iraniano ter admitido que o avião das linhas aéreas ucranianas foi atingido por um míssil, por erro humano.

O operador do míssil que abateu o Boeing ucraniano em Teerão abriu fogo sem poder obter a confirmação de uma ordem de tiro, devido a uma "interferência" nas telecomunicações, explicou o general iraniano.

O soldado confundiu o avião com um "míssil de cruzeiro" e teve "10 segundos" para decidir, acrescentou o general.

O avião foi atingido e as 176 pessoas que nele seguiam morreram.

As forças armadas iranianas confundiram o avião de passageiros ucraniano com um alvo hostil momentos depois do ataque do Irão com mísseis balísticos contra duas bases militares no Iraque que albergavam tropas norte-americanas.

O ataque do Irão foi uma retaliação pela morte do general iraniano Qassem Soleimani num ataque aéreo dos Estados Unidos no Iraque.

Na manhã deste sábado, o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano escrevia no Twitter que o erro humano que deu origem ao acidente foi provocado “pelo aventureirismo dos EUA”.

As autoridades máximas do Irão têm demonstrado o seu profundo lamento. Nesta tarde, os Presidentes iraniano e ucraniano deverão falar ao telefone sobre o sucedido.

No resto da comunidade internacional, o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, já veio exigir uma profunda investigação ao que se passou e a condenação dos responsáveis.

O Presidente francês, Emmanuel Macron, também já comunicou que a França já iniciou os procedimentos para levar a cabo uma investigação internacional.

No Reino Unido, o primeiro-ministro diz que a assunção da responsabilidade é um importante primeiro passo. Boris Johnson pede uma investigação independente e a garantia de que todos os mortos serão repatriados e diz que o Reino Unido está disponível para colaborar com o Canadá, a Ucrânia e outros países donde eram naturais as vítimas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.