|
A+ / A-

Falta de médicos. Câmara de Torres Vedras pede ao Governo contratação de quatro pediatras para os quadros

07 jan, 2020 - 18:57 • Redação com Lusa

O autarca socialista Carlos Bernardes pede também à ministra da Saúde que conceda incentivos que permitam atrair profissionais para a unidade de Torres Vedras do Centro Hospitalar do Oeste.

A+ / A-

A Câmara de Torres Vedras vai propor na quarta-feira ao Ministério da Saúde um acordo que permita manter a urgência pediátrica a funcionar com todos os médicos necessários, anunciou esta terça-feira o presidente em conferência de imprensa.

Carlos Bernardes (PS) quer que a ministra garanta a entrada no quadro de quatro pediatras, assim como a concessão de incentivos que permitam atrair estes profissionais para a unidade de Torres Vedras do Centro Hospitalar do Oeste (CHO), no distrito de Lisboa. O autarca quer também um compromisso da tutela no sentido de voltar a haver internamento pediátrico na cidade, para ajudar a atrair médicos.

O acordo passa também por garantir o lançamento do concurso público para obras de requalificação na urgência geral até ao final deste mês, a reabertura da farmácia para a preparação dos citotóxicos para os tratamentos de quimioterapia e a criação de uma unidade de cuidados intensivos. “A câmara está disponível para fazer parte das várias soluções”, afirmou o autarca, mostrando preocupação pela “forma precária” como a urgência pediátrica está a funcionar. E rematando que “não pode haver o seu encerramento”.

Autarquia e administração do CHO reúnem-se na quarta-feira com o Ministério da Saúde na procura das soluções para o problema.

A pedido do CDS-PP, foi agendada uma assembleia municipal extraordinária sobre o assunto para o dia 15.

No sábado, em entrevista à TSF e ao Diário de Notícias, questionada se o reencaminhamento de doentes para as Caldas da Rainha é para resolver ou é definitivo, a ministra da Saúde, Marta Temido, disse que o assunto está a ser “trabalhado entre a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e a administração do CHO”, admitindo que “a resposta estará sempre dependente do número de pediatras”. “A afluência que regista a unidade de Torres Vedras leva-nos a refletir sobre a solução mais definitiva”, acrescentou.

A presidente do conselho de administração do CHO, Elsa Banza, disse que a urgência pediátrica volta a funcionar sem pediatra entre as 21h00 de hoje e as 09h00 de quarta-feira, problemas que deverão repetir-se durante este mês. Os doentes que necessitaram desta especialidade são transferidos para as Caldas da Rainha, no distrito de Leiria.

Os constrangimentos já tinham acontecido no dia 31 de dezembro e entre as 21h00 de quinta-feira e as 09h00 de sábado.

A administradora afirmou que os casos que foram reencaminhados já o seriam mesmo com a urgência a funcionar em pleno, uma vez que obrigavam a internamento.

Cada escala é preenchida por dois médicos de clínica geral e um pediatra.

O Centro Hospitalar do Oeste integra os hospitais de Torres Vedras, Caldas da Rainha e Peniche e serve cerca de 300 mil habitantes daqueles três concelhos, assim como de Óbidos, Bombarral, Cadaval e Lourinhã e parte dos concelhos de Alcobaça (freguesias de Alfeizerão, Benedita e São Martinho do Porto) e de Mafra (com exceção das freguesias de Malveira, Milharado, Santo Estêvão das Galés e Venda do Pinheiro).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.