RR
|
Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Orçamento 2020 - 07/01/2020
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Orçamento 2020 - 07/01/2020

J. Taborda da Gama

OE 2020. "PS destrunfou a esquerda"

07 jan, 2020 • Miguel Coelho , Cristina Nascimento


Comentadores da Renascença fazem uma análise sobre as negociações entre o PS e restantes partidos da esquerda. Fernando Medina diz que OE passa já na sexta.

O comentador da Renascença João Taborda da Gama considera que o "PS destrunfou a esquerda". O comentário surge a propósito das negociações entre o PS e o Bloco de Esquerda e PCP, tendo em vista um acordo que permita a aprovação do Orçamento do Estado para 2020.

“É difícil perceber o que é que vamos ter nos cartazes do PCP e do Bloco de Esquerda a dizer o que conseguiram impor ao Governo”, explica o comentador.

João Taborda da Gama considera ainda que “ainda há um fantasma” que não está excluído de todo que é a hipótese de acordos pontuais com o PSD.

Já para o socialista Fernando Medina, as negociações decorrem normalmente e não identifica qualquer problema. “Acho que o Orçamento vai passar e vai passar já na sexta-feira”.

Medina sublinha que este ano o Orçamento do Estados está a negociado de forma diferente.

"Antes os orçamentos eram negociados antes de serem entregues. Desta vez, António Costa e o Governo fizeram questão de ouvir e adaptaram a entrega do Orçamento e depois então fazer essa negociação", argumenta.

Esta terça-feira, António Costa retoma as negociações com delegações do Bloco de Esquerda e do PCP tendo em vista a aprovação do Orçamento do Estado para 2020.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.