|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Domingos Simões Pereira

Presidenciais na Guiné-Bissau. Candidato derrotado denuncia "profundas irregularidades" e pretende impugnar resultados

01 jan, 2020 - 15:12 • Redação com Lusa

Segundo os resultados provisórios da Comissão Nacional de Eleições, Umaro Sissoco Embaló, do Movimento para a Alternância Democrática, venceu a segunda volta das eleições com 53,55% dos votos.

A+ / A-

O candidato derrotado nas presidenciais da Guiné-Bissau, Domingos Simões Pereira, admitiu esta quarta-feira impugnar os resultados eleitorais para garantir que correspondem efetivamente à vontade dos guineenses.

"Depois de tudo o que vi, ouvi e sei, não tenho dúvidas que o povo guineense nestas eleições presidenciais nos deu a vitória, sim. Não tenho dúvidas de que conquistámos a vitória nestas eleições presidenciais e a minha primeira palavra é dirigida aos milhares de militantes e simpatizantes do nosso partido", afirmou Simões Pereira, perante dezenas de apoiantes na sede do partido.

Segundo os resultados provisórios apresentados pela Comissão Nacional de Eleições, Umaro Sissoco Embaló, apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15) venceu o escrutínio da segunda volta com 53,55% dos votos, enquanto Domingos Simões Pereira, apoiado pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC), conseguiu 46,45%.

"Se tenho a convicção que o povo guineense nos dá a vitória nestas eleições presidenciais, significa que os resultados provisórios agora publicados pela Comissão Nacional de Eleições estão profundamente impregnados de irregularidades, de nulidades, de manipulações, que consubstancia e une àquilo que consideramos um roubo e não podemos aceitar", disse Domingos Simões Pereira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.