Tempo
|
A+ / A-

Guterres preocupado com fim da moratória norte-coreana sobre ensaios nucleares

01 jan, 2020 - 22:14 • Lusa

"O mundo vai descobrir num futuro próximo uma nova arma estratégica que a Coreia do Norte possui", anunciou o líder da Coreia do Norte. Secretário-geral da ONU manifesta preocupação com o anúncio.

A+ / A-

O secretário-geral das Nações Unidas manifestou esta quarta-feira preocupação face ao anúncio do líder norte-coreano, que pretende retomar os ensaios nucleares e de mísseis balísticos intercontinentais, e defendeu a retoma do diálogo com vista à desnuclearização completa daquela península.

Segundo a agência estatal norte-coreana KCNA, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, anunciou o fim da moratória sobre os ensaios nucleares e sobre os ensaios de mísseis balísticos intercontinentais firmada por Pyongyang. “Não temos qualquer motivo para continuar ligados unilateralmente a este compromisso”, indicou a KCNA num texto recebido em Seul, numa referência às declarações de Kim Jong-un perante responsáveis do seu partido no poder. “O mundo vai descobrir num futuro próximo uma nova arma estratégica que a Coreia do Norte possui”.

Numa nota emitida pelo seu porta-voz, e citada pelo portal ONU News, o secretário-geral manifesta preocupação com o anúncio de Kim e afirma esperar “muito que os testes não sejam retomados, de acordo com as resoluções relevantes do Conselho de Segurança.”

Comentando esta reviravolta norte-coreana, António Guterres defendeu a retoma “de um diálogo que leve à desnuclearização completa e verificável da Península Coreana”.

Na ótica do líder da ONU, “a não proliferação continua a ser um pilar fundamental da segurança nuclear global”, pelo que “deve ser preservada”. “O empenho diplomático é o único caminho para a paz sustentável”, frisou

Em 2018, Kim Jong-un tinha declarado que a Coreia do Norte não necessitava de ensaios nucleares e de ensaios de mísseis balísticos intercontinentais. As suas mais recentes declarações parecem contrariar a diplomacia nuclear dos dois últimos anos, com o Presidente norte-americano, Donald Trump, a evocar regularmente a “promessa” do líder norte-coreano. No entanto, as conversações entre as duas capitais estão num aparente impasse, depois de a cimeira Kim-Trump, que decorreu em fevereiro em Hanói, ter terminado sem acordo.

Perante o comité central do seu Partido dos Trabalhadores, Kim indicou claramente que a Coreia do Norte está preparada para continuar a ser alvo do regime de sanções internacionais para preservar a sua capacidade nuclear. “Os Estados Unidos formulam exigências contrárias aos interesses fundamentais do nosso Estado e adotam um comportamento criminoso”, disse, citado pela KCNA.

Washington “promoveu dezenas de exercícios militares conjuntos [com a Coreia do Sul] que o Presidente [Donald Trump] prometeu suspender”, enviou ao Sul equipamento militar de alta tecnologia e reforçou as sanções contra o Norte, acrescentou. “Jamais venderemos a nossa dignidade”, assegurou, antes de prometer uma “ação siderante para fazer pagar [aos Estados Unidos] o preço da dor infligida ao nosso povo”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.