RR
|
A+ / A-

​Cerca de 20 mil pessoas já votaram na Palavra do Ano. Saiba qual lidera

27 dez, 2019 - 10:31 • Cristina Nascimento

É a décima edição da iniciativa Palavra do Ano. A votação decorre até 31 de dezembro.

A+ / A-

“Sustentabilidade”, “violência doméstica” e “desinformação” são as palavras que, neste momento, lideram a votação para a Palavra do Ano. A votação abriu no início do dezembro e até ao momento já votaram cerca de 20 mil pessoas.

Há 10 candidatas a palavra do ano. Além das três que lideram a votação, o público tem ainda à escolha as seguintes opções: “multipartidarismo”, “nepotismo”, “seca”, “trotinete”, “lítio”, “jerricã” e “influenciador”.

Em entrevista ao programa “As Três da Manhã”, Paulo Rebelo Gonçalves, da Porto Editora, promotora da iniciativa, explicou como é que escolhem as 10 palavras candidatas.

“Resulta de uma análise que fazemos ao longo de todo o ano. Vamos acompanhando não só a forma com as pessoas consultam e pesquisam os nossos dicionários, como também fazemos uma leitura muito atenta do que é dito e escrito na comunicação social e nas redes sociais”, acrescentando que “é aí, sobretudo, que as palavras têm um exercício de poder, que marcam o nosso quotidiano e isso tem a ver com o espírito da iniciativa”.

Paulo Rebelo Gonçalves explica que “a Palavra do Ano pretende mostrar a dinâmica e a vivacidade da nossa língua e sobretudo a forma como as palavras marcam o nossos dia-a-dia”.

“A força da palavra no nosso dia-a-dia é uma forma de nós valorizarmos também o nosso património que é a língua portuguesa”, remata.

Este é a décima edição da "Palavra do Ano". Em 2018, a palavra vencedora foi "enfermeiro", que alcançou 37,8% dos 226 mil votos validados. A lista das vencedoras da Palavra do Ano inclui "esmiuçar" (2009), "vuvuzela" (2010), "austeridade" (2011), "entroikado" (2012), "bombeiro" (2013), "corrupção" (2014), "refugiado" (2015), "geringonça" (2016) e "incêndios" (2017).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.