|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Bispo de Coimbra

“A vida é o dom mais precioso, que congrega todos os homens de boa vontade”

25 dez, 2019 - 16:22 • Redação

Quando se põe em causa a vida humana, “em qualquer uma das suas fases ou circunstâncias, abrem-se as portas a caminhos de morte”, alerta D. Virgílio Antunes.

A+ / A-

O bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes, sublinhou esta quarta-feira, na missa de Natal, a importância da defesa da vida humana, lembrando que é uma obrigação de todos.

“A vida é o dom mais precioso e mais universal que congrega, num esforço de preservação e de aperfeiçoamento, todos os homens de boa vontade”, afirmou D. Virgílio Antunes durante a homilia.

A defesa e promoção da vida, “como lugar de salvação”, salientou, “não é uma prorrogativa de nenhuma comunidade, de nenhuma religião, mas ela é a realidade que atrai e que congrega, apesar de os seus contornos concretos ser, porventura, a questão que mais profundamente divide sensibilidades e ideologias”.

Pôr em causa a vida humana, em qualquer circunstância ou fase, sublinha D. Virgílio Antunes, significa desistir e abrir as portas a caminhos de morte.

“Quando se põe em causa a vida humana, em qualquer uma das suas fases ou circunstâncias, abrem-se as portas a caminhos de morte, morte que nunca pode ser sinal de respeito pela pessoa humana, mas que significa desistência diante das capacidades que nós temos de acolher e dignificar aquilo que somos, o dom que recebemos”, declarou o bispo de Coimbra, na homilia da missa de Natal, que foi transmitida pela Renascença.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.