Tempo
|
A+ / A-

​Brexit. Cerca de 220 mil portugueses registados no Reino Unido

17 dez, 2019 - 17:18 • Ana Carrilho , com redação

O ministro dos Negócios Estrangeiros estima que, atualmente, existam cerca de 300 mil portugueses no Reino Unido e apela a todos que se registem o mais depressa possível.

A+ / A-

Até ao fim de novembro, cerca de 220 mil portugueses já tinham efetuado o registo junto das autoridades do Reino Unido, o chamado "Settlement Scheme", um procedimento necessário por causa do Brexit.

O número foi avançado esta terça-feira pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, na apresentação de um relatório sobre emigração.

Em resposta a uma questão da Renascença, Augusto Santos Silva revelou que, de acordo com os dados conhecidos esta terça-feira de manhã, 220 mil portugueses já se registaram para garantir os seus direitos depois do Brexit, que deverá acontecer a 31 de janeiro de 2020.

O ministro dos Negócios Estrangeiros estima que, atualmente, existam cerca de 300 mil portugueses no Reino Unido e apela a todos que se registem e depressa.

"Todos aqueles cidadãos portugueses que pretendam continuar a residir no Reino Unido mantendo intactos os seus direitos devem registar-se o mais depressa possível."

Santos Silva destaca a importância deste registo: "é ele que permite que aqueles que estão no Reino Unido há mais de cinco anos tenham o título de residência definitiva e aqueles que estão a residir há menos tempo vejam contado o tempo de residência para, quando atingirem os cinco anos, terem a residência definitiva".

O registo de cidadãos estrangeiros em terras britânicas é obrigatório para quem queiram continuar a viver no Reino Unido depois do Brexit. A regra aplica-se também a quem tem o estatuto de residente permanente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.