|
A+ / A-

Cimeira do Clima. "Há países que negam evidência", diz Marcelo

15 dez, 2019 - 19:30 • Lusa

Presidente da República concorda que os resultados da cimeira da ONU sobre o clima (COP25) ficaram aquém do esperado.

A+ / A-

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou este domingo que os resultados da cimeira da ONU sobre o clima (COP25) ficaram aquém do esperado porque ainda "há países que negam evidência" das alterações climáticas, e resistem.

"Portugal tem em curso medidas para irmos também muito mais longe em matéria de alterações climáticas, mas há países que resistem, e como é preciso um acordo mundial há países que negam evidência ou que, aceitando a evidência, resistem", disse o chefe de Estado.

Falando aos jornalistas à margem de um almoço com pessoas em situação de sem-abrigo, em Lisboa, o Presidente salientou que, na sua ótica, essa foi a razão para "o acordo não ser tão generoso ou não ir tão longe quanto se esperaria".

Marcelo Rebelo de Sousa apontou que "para os europeus é uma evidência que isso é um problema grave" mas ressalvou que, "por exemplo, há eleitores americanos que ainda não acham isso, há eleitores brasileiros que ainda não acham isso".

"Depois, há eleitores nalguns países africanos que têm tantos problemas imediatos de sobrevivência que, porventura, isso não é tão debatido nem apresentado como tão importante", assinalou.

Notando que "a Europa tem estado sempre na liderança deste processo" para tentar contrariar a crise climática, Marcelo Rebelo de Sousa deu o exemplo da Dinamarca, país que "aprovou uma lei muito ambiciosa sobre alterações climáticas".

A COP25 decorreu em Madrid nas últimas duas semanas, e terminou esta manhã, dois dias depois do previsto.

Apesar de o acordo assinalar a urgência para conter as alterações climáticas, ficaram de fora alguns pontos essenciais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.