Tribunal Penal Internacional

Aung Suu Kyi nega acusações de genocídio e é recebida como heroína de Myanmar

14 dez, 2019 - 18:39 • Sofia Freitas Moreira (edição) Reuters (imagem)

Milhares de pessoas saíram às ruas da capital da Myanmar, este sábado, para saudar a primeira-ministra e Nobel da Paz Aung San Suu Kyi. A conselheira de Estado passou os últimos dias a defender o seu país de acusações de genocídio, no Tribunal Penal Internacional. A acusação foi feita pela Gâmbia, que disse ser sua obrigação, à luz do direito internacional, colocar um processo contra a Birmânia. Perante os juízes, Suu Kyi disse que não houve uma campanha orquestrada para perseguir os membros daquela minoria étnica. Desde 2017, 915 mil rohingyas tiveram de fugir para campos de refugiados no Bangladesh.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Tópicos
Reportagem
Eu Eleitor hyper

Eu, eleitor

Retratos do país que vota

Que país é este que vai às urnas? Até às eleições legislativas, a Renascença apresenta retratos de 18 eleitores dos círculos eleitorais de Portugal continental, olhando as características e dificuldades de cada distrito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.