|
A+ / A-

Itália

Quadro roubado de Klimt encontrado em divisão secreta por jardineiro da galeria

12 dez, 2019 - 19:34 • Sofia Freitas Moreira e Redação

O quadro foi encontrado numa das paredes da galeria de arte de onde foi roubado há mais de 20 anos.

A+ / A-

No início desta semana, um jardineiro de uma galeria de arte italiana encontrou um quadro escondido num compartimento secreto de uma das paredes do edifício.

Embora ainda não esteja confirmado, tudo indica que se trata de um quadro da autoria de Gustav Klimt, roubado há quase 23 anos do mesmo local onde foi encontrado na última terça-feira.

O “Retrato de uma Senhora” é uma das peças de arte desaparecidas mais procuradas do mundo e manteve-se um mistério desde 1997. Até agora, ao que tudo indica.

O jardineiro da galeria de arte moderna “Ricci Oddi”, em Piacenza, no norte da Itália, descobriu uma pequena porta de metal, enquanto limpava a hera de uma das paredes do edifício. Dentro da divisão, encontrou o quadro guardado num saco.

A galeria diz que não vai fazer nenhum comunicado oficial até que a autenticidade do quadro seja comprovada por especialistas. No entanto, de acordo com o jornal local “Piacenza Sera”, uma inspeção inicial indicou que se trata do quadro do austríaco Klimt, terminado em 1917.

O diretor da galeria, Massimo Ferrari, disse ao jornal “La Libertà” que os selos e a cera na parte de trás da peça eram originais.

O roubo de “Retrato de uma Senhora” aconteceu em fevereiro de 1997 e os investigadores da altura acreditavam que o autor do crime teria sido um dos funcionários da galeria.

Este trabalho de Klimt é considerado particularmente importante porque, pouco depois do seu desaparecimento, um estudante de arte descobriu que o retrato teria sido pintado por cima de um outro retrato feminino concluído em 1912. Se isto se confirmar, o quadro passa a ser o único Klimt “duplo” do mundo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.