|
A+ / A-

Portugal dá proteção a jovens marroquinos que desembarcaram no Algarve

12 dez, 2019 - 10:02 • Cristina Nascimento

Jovens pernoitaram em Vila Real de Santo António e são transferidos esta quinta-feira para Lisboa.

A+ / A-

Os oito jovens marroquinos que na quarta-feira desembarcaram na praia de Monte Gordo requereram durante a madrugada o estatuto de proteção. A informação é confirmada pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

"Ao abrigo do quadro de proteção internacional aplicado noutros casos de estrangeiros resgatados no Mediterrâneo, Portugal vai acolher os oito jovens que, esta quarta-feira, desembarcaram numa praia do Algarve, depois de estes terem requerido esta madrugada esse estatuto de proteção", lê-se no comunicado.

A mesma nota refere que o grupo, composto por jovens com idades entre os 16 e 26 anos, "pernoitou em Vila Real de Santo António" e será transferido esta quinta-feira para Lisboa, para o Centro Português para o Refugiado.

"À semelhança de outros que chegaram a Portugal, ser-lhes-á assegurado e registado o seu pedido, e ser-lhes-á providenciada documentação que comprova o período de análise, para que, durante esse tempo, lhes possa ser garantida assistência médica, educação, alojamento e meios de subsistência", acrescenta.

Os jovens, todos rapazes, foram intercetados "escondidos nas dunas" da praia de Monte Gordo, depois de um alerta de populares, não "aparentando requerer cuidados especiais" e dizendo apenas que tinham fome. De acordo com fonte da capitania da Polícia Marítima de Vila Real de Santo António, os jovens alegam que provêm da cidade de El Jadida, em Marrocos, e que estiveram durante cinco dias no mar até desembarcarem naquela praia do distrito de Faro.

Em dezembro de 2007, as autoridades também detetaram um grupo de 19 imigrantes alegadamente provenientes de Marrocos na ria Formosa, junto a Olhão, naquele que foi o primeiro incidente do género registado na costa portuguesa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    12 dez, 2019 Lisboa 17:45
    Há alguma guerra em Marrocos? Ou uma ditadura a oprimir o Povo de lá? Então, esta "proteção internacional" mais não é que uma legalização encapotada de imigração ilegal. Devem querer pô-los a trabalhar ao preço da chuva na agricultura ou isso. O pior é se eles são como os que já recebemos e andaram a receber apoios que muitos portugueses desfavorecidos gostariam de ter, e depois um foi caçado em França quando se preparava para cometer atentados e outro era um dos melhores recrutadores do Daesh. A não ser que a ideia seja desviar os fluxos migratórios do Mediterrâneo para cá, a ver se os exploradores do costume arranjam mão-de-obra baratucha... O pior é os Turistas do Algarve agarrarem na toalha e irem para um sitio onde não há constantes desembarques de migrantes na praia, enquanto estão a tentar ter descanso ...
  • J S Valdreu
    12 dez, 2019 RUISBROEK 11:20
    Boa tarde Marrocos nao esta em guerra pra haver refugiados(marroquinos). Acho pena e triste nao garantirem alojamento,ensino,e cuidados de saude aos PORTUGUESES. Nao ha politicos com coragem nem frontalidade pra dizer nao à europa,e assim deixar de ser uma colonia do poder central,viva PORTUGAL VALDREU
  • Abram alas!
    12 dez, 2019 Venham todos! 10:37
    Acho boa ideia. É para abrir uma nova rota de imigração ilegal e começarmos a ter desembarques diários "nas praias dos Algarves". Os turistas, então, devem adorar estar na praia e assistirem ao desembarque duma pequena multidão que depois corre pela praia fora e vai ou roubando o que pode ou agredindo quem estiver no caminho ou ficando a viver à conta. Abram alas e convidem-nos a vir para cá. Assim como assim, já há localidades onde há mais estrangeiros que portugas...