|
A+ / A-

Câmara de Lisboa

Abertas inscrições para as primeiras 120 casas com renda acessível

12 dez, 2019 - 09:30 • Redação

As candidaturas deste primeiro concurso terminam a 31 de janeiro.

A+ / A-

A partir desta quinta-feira já são possíveis candidaturas ao Programa de Renda Acessível da Câmara de Lisboa.

Estão disponíveis 120 casas com custos mais baixos, destinados a jovens e para a classe média. Alguém que receba, por exemplo, um salário de 900 euros líquidos terá uma renda máxima de 300 euros.

A inscrição pode ser feita através do site Rehabitar Lisboa, como explicou à Renascença o presidente de Câmara Fernando Medina. “Qualquer jovem ou pessoa da classe média pode simular a sua condição e candidatar-se a uma destas 120 casas, que são as primeiras postas em concurso”, explicou.

As candidaturas deste primeiro concurso terminam a 31 de janeiro. A inscrição é válida para outros futuros concursos do Programa de Renda Acessível da Câmara de Lisboa.

Nestas declarações, o autarca revela que existem outros planos em marcha. “Há poucas semanas foi aberto concurso para a construção de cerca de 130 casas na Av. das Força Armadas; está em estado avançado a recuperação de edifícios da Segurança Social, na Av. da República, para habitação; vário património municipal está a ser reabilitado; estamos a negociar com o Estado a reabilitação de outros imóveis; e em breve vamos anunciar outro programa em que a autarquia arrendará casas no mercado e depois irá coloca-las no mercado e habitação acessível”.


Quais os requisitos para me candidatar?

A candidatura deve ser feita de acordo com as necessidades de cada família o que significa que uma pessoa pode concorrer a um T0 ou T1, duas pessoas podem optar entre um T0, um T1 ou um T2 e, no caso de serem três ou quatro pessoas, podem ainda candidatar-se a um T3. Já para famílias mais numerosas, o máximo é um T5.

Para que a candidatura ao Programa de Renda Acessível possa receber luz verde é necessário que a pessoa que se candidata receba um máximo de 35 mil euros por ano, no caso de ser um casal terão de receber um máximo de 45 mil euros anuais. Para agregados com mais de duas pessoas, o teto máximo é de 45 mil euros anuais, mais 5.000 euros por ano por cada dependente.

Quais os valores médios de cada imóvel?

De acordo com a Câmara de Lisboa, um T0 pode custar entre 150 e 400 euros, um T1 entre 150 e 500, um T2 entre 150 e 600 e os T3, T4 e T5 custarão entre 200 e 800 euros. O valor da renda pode variar consoante o rendimento da família.

Onde estão localizados os 120 imóveis?

Ficam na Área Metropolitana de Lisboa nas seguintes freguesias: Ajuda, Alcântara, Areeiro, Avenidas Novas, Beato, Benfica, Campo de Ourique, Campolide, Lumiar, Marvila, Olivais, Parque das Nações, Penha de França, Santa Clara, Santa Maior e São Domingues de Benfica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fraude
    13 dez, 2019 12:40
    O site nem seque está a funcionar mas a falta de vergonha já é tanta que já nem se dão ao trabalho de disfarçar. É bom que se saiba que isto das rendas acessíveis é uma fraude. Já me candidatei ao Programa de Arrendamento Acessível do IHRU há mais de 4 meses e até hoje nem sequer me informaram quantos candidatos existiam nem em que posição fiquei. E não informam porque não existe TRANSPARÊNCIA NENHUMA nestes programas, e porque as casas são dadas a amigos e conhecidos. Este governo socialista transformou-se num deboche total, sem vergonha. É bom que se preparem para o desemprego porque não ficam lá mais 4 anos.