Tempo
|
A+ / A-

Residência partilhada separa direita do PS no Parlamento

11 dez, 2019 - 19:19 • Paula Caeiro Varela , Filipe d'Avillez

O PS diz que só está interessado no superior interesse da criança, e por isso mostra-se disponível para consensos.

A+ / A-

A direita parlamentar não quer que a residência partilhada se torne princípio jurídico para as crianças em casos de separação ou divórcio.

No Parlamento, esta quarta-feira, PSD, CDS e Chega argumentaram contra as alterações às regras de responsabilidade parental.

Mónica Quintela, do PSD, defende que cada caso é um caso. “Qualquer princípio, qualquer privilégio, de uma residência alternada pode ser absolutamente danosa para a vida destas crianças. Cabe ao legislador, numa situação absolutamente sensível, estar com todas as cautelas, porque é da vida das crianças que estamos a falar”, disse.

Posição secundada pelo CDS e Chega, com os partidos todos, da esquerda à direita, a manifestarem abertura para consensos.

Joana Sá Pereira, do PS, clarifica que o projeto de lei do seu partido não pretende tornar a residência alternada regra.

“Não pretendemos estabelecer – nunca nos ouviram dizer isso – qualquer presunção ou uma regra. O projeto do PS não presume que a residência alternada seja a melhor solução para a criança. O que pretendemos é que a residência alternada seja privilegiada se isso corresponder ao superior interesse da criança”, explicou.

“Estamos disponíveis para, em sede de especialidade, encontrar consensos que protejam e garantam sempre o superior interesse da criança. Para avançar, contarão sempre com o Partido Socialista”, disse ainda Joana Sá Pereira.

Os diplomas são votados só na quinta-feira, mas convém lembrar que na legislatura passada também foram para a discussão na especialidade, sem que tenha havido entendimento entre as várias propostas.

Algumas das propostas que estão agora em discussão são idênticas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+