RR
|
A+ / A-

Milhões para a Saúde. Sindicato médico pede "mais trabalho e menos propaganda"

11 dez, 2019 - 16:06 • Redação

Verbas anunciadas pelo Governo para o Serviço Nacional de Saúde parecem "manifestamente insuficientes" ao Sindicato Independente dos Médicos.

A+ / A-

O reforço de verbas anunciado esta quarta-feira para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) é insuficiente, na leitura do secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM).

Em declarações à Renascença, Roque da Cunha considera que 800 milhões de euros no próximo ano não chega e pede menos propaganda e mais ação.

“Parece-nos manifestamente insuficiente. O que o Sindicato Independente dos Médicos espera é que haja menos propaganda e mais trabalho, para encontrarem soluções e não criarem ilusões nos portugueses”, afirma o secretário-geral do SIM.

A Ordem dos Enfermeiros vê como um sinal positivo o reforço orçamental na saúde anunciado pelo Governo, considerando que é um reconhecimento dos problemas que têm sido denunciados pelos profissionais.

A bastonária Ana Rita Cavaco alerta que "não basta atirar dinheiro para cima dos problemas", sendo necessário reformular e reorganizar as formas de trabalho.

O Governo aprovou um reforço orçamental de 800 milhões de euros para o setor da Saúde, que corresponde precisamente à exigência feita publicamente pelo Bloco de Esquerda.

No Conselho de Ministros desta quarta-feira foi também aprovada a contratação de mais 8.426 profissionais para esta área.

O anúncio foi feito pela ministra da Saúde, Marta Temido, na conferência de imprensa que se seguiu ao Conselho de Ministros extraordinário, que decorreu esta manhã devido ao Conselho Europeu de quinta e sexta-feira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.