|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Caso de Tancos. Juiz quer ouvir presencialmente António Costa

10 dez, 2019 - 06:51 • Redação

A defesa do antigo ministro da Defesa Azeredo Lopes indicou o primeiro-ministro como testemunha no processo.

A+ / A-

É uma das principais novidades da abertura da instrução do caso de Tancos. O juiz Carlos Alexandre quer ouvir António Costa em tribunal e não por escrito.

O pedido para a audição do primeiro-ministro já seguiu do Tribunal Central de Instrução Criminal para o Conselho de Estado, o órgão que tem de autorizar o testemunho presencial do governante, segundo avança a revista “Sábado”.

Na qualidade de membro do Conselho de Estado, António Costa só poderá depor com autorização daquele órgão.

Segundo a revista, o magistrado judicial também deixou claro que pretende ouvir presencialmente generais e já agendou interrogatórios dos arguidos.

A defesa do antigo ministro da Defesa Azeredo Lopes indicou o primeiro-ministro como testemunha no processo, assim como o Almirante Silva Ribeiro (atual Estado Maior General das Forças Armadas, o ex-CEMGFA António Pina Monteiro e o tenente-general António Martins Pereira, além do embaixador de Portugal na NATO, Almeida Sampaio.

As inquirições do caso Tancos estão previstas para decorrerem nos meses de janeiro e fevereiro do próximo ano.

De acordo com a “Sábado”, um dos pontos que irá ser explorado por várias defesas de arguidos será a polémica questão de ter sido feita uma ação encoberta preventiva pela PJ, autorizada pelos procuradores, a pelo menos um dos principais acusados no caso Tancos, o empresário João Paulino, considerado pela acusação como o mandante do furto das armas e também o responsável por as devolver à PJM em outubro de 2017.

Neste processo foram constituídos 23 arguidos, sendo que nove foram acusados de planear e executar o furto do material militar dos paióis nacionais de Tancos e os restantes 14, entre eles o ex-ministro Azeredo Lopes, da encenação que esteve na base da recuperação do equipamento.

Um mês após o furto das armas [4 de agosto], Azeredo Lopes recebeu Luis Vieira no seu gabinete e na presença do seu chefe de gabinete, Martins Pereira.

Na ocasião, disse ter recebido do diretor da PJM um documento timbrado e assinado por este, relativo ao mal-estar da PJM face à intervenção da PJ nas investigações, mas que o mesmo não deu entrada oficial no seu gabinete por não reunir os critérios necessários, segundo a avaliação feita por Martins Pereira.

Quanto ao dia do achamento das armas [18 de outubro de 2017], Azeredo Lopes recebeu uma chamada telefónica da então Procuradora Geral da República Joana Marques Vidal a relatar que considerava que a PJM militar não tinha respeitado a delegação de competências na investigação do furto de Tancos e que estava muito desagradada com a situação, estando a ponderar fazer uma participação para efeitos da instauração de processos.

O caso do furto das armas em Tancos foi divulgado pelo Exército em 29 de junho de 2017 com a indicação de que ocorrera no dia anterior, tendo a alegada recuperação do material de guerra furtado ocorrido na região da Chamusca, Santarém, em outubro de 2017.


Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    10 dez, 2019 11:16
    Agostinho de Hipona (354-430): «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um grande bando de ladrões».