|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade. Às terças e sextas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Fernando Medina e João Taborda da Gama - OE 2020 - 10/12/2019
Fernando Medina e João Taborda da Gama - OE 2020 - 10/12/2019

​F. Medina

OE 2020. “Todos concordarão” que margens orçamentais devem ir para a Saúde

10 dez, 2019 • Miguel Coelho , Cristina Nascimento


Comentadores da Renascença analisam proposta do Orçamento do Estado para 2020 cujas linhas gerais vão ser apresentadas esta terça-feira aos partidos.

O socialista Fernando Medina considera que a existência de eventuais “margens orçamentais”, no Orçamento do Estado para 2020, deve ser aplicada na área da saúde.

É o que defende o comentador da Renascença, no espaço de debate do programa “As Três da Manhã”, no dia em que os partidos com assento parlamentar foram convocados pelo Governo para conhecer as linhas gerais do documento.

Medina considera ainda que o OE será marcado pela continuidade e pela devolução dos rendimentos.

Já o professor universitário João Taborda da Gama considera que o ministro das Finanças fará tudo para ter um “superavit orçamental ou muito próximo disso”.

“Centeno quer ter esse ponto na sua carreira, essa condecoração, essa medalha e tudo fará para isso e, por isso, vamos adiar tudo o que seja despesa e devolução de rendimentos”, diz Taborda da Gama.

O Orçamento do Estado para 2020 será o primeiro de Portugal em democracia com mais receitas do que despesas. A consultora Deloitte fez uma antevisão do que poderá ser o documento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.