|
Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

​O medo do circo

06 dez, 2019 • Opinião de Henrique Raposo


Andar de terra em terra com a casa às costas não podia ser sinónimo de conforto, e esse desconforto, aliás, notava-se em todos os gestos e rostos.

Os bilhetes apareciam lá em casa, oferecidos por um amigo que trabalhava na generosa Volvo, e eu tinha de ir. Não se jogavam bilhetes no lixo. Mas a verdade é que eu odiava cada momento. Odiava, porque tinha medo do circo. Um medo que voltei a sentir ao ver agora uma série da HBO, “Carnivàle”. A série conta a história de um circo americano no contexto da Grande Depressão. O argumento parece que foi escrito a meias por Steinbeck e Flannery O’Connor, ou seja, é um relato da miséria que se cruza com um ambiente gótico e místico.

E, de facto, “Carnivàle” mostra bem o lado grotesco do circo que me inspirava medo. Sim, não estou a exagerar, era medo. À superfície, eles, os palhaços e contorcionistas, estavam a fazer proezas esfuziantes, mas no subtexto eu sentia a sua tristeza. Não me ria com as macacadas dos palhaços, porque sentia a tristeza escondida daqueles homens. Como dizia há dias a Mafalda Anjos, directora da Visão, era impossível compreender porque é que os outros riam às gargalhadas. Riam do quê? A tristeza de todo o pessoal do circo era palpável, era palpável no sorriso postiço das acrobatas, era palpável no tom de voz automático e soturno do cicerone, que devia ser a mesma voz que aparecia mais tarde nos carrinhos de choque dos santos populares, era palpável nos animais.

Era grotesca aquela instrumentalização de animais selvagens. Não sou animalista, mas tenho dois olhos e um nariz. A tristeza dos animais era palpável, tal como o fedor da palha encharcada nos dejectos de animais. O cheiro a curral não me faz impressão no contexto do curral, no contexto da manjedoura. Sucede que o circo não está nesse contexto. Aquele cheiro ali é uma pestilência, não uma chamada à humildade. E agora penso noutra coisa que não me ocorria na época: aquelas pessoas eram mais pobres do que eu, tinham uma vida ainda mais difícil do que a dos meus pais. Andar de terra em terra com a casa às costas não podia ser sinónimo de conforto, e esse desconforto, aliás, notava-se em todos os gestos e rostos.

Não fico nada incomodado quando as minhas filhas não procuram esta tradição.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vera Costa
    09 dez, 2019 09:01
    Pois eu entendo! mas se eles trabalham é porque precisam! Quem gosta de palhaçadas são as crianças, essas divertem-se porque não entendem! Agora os animais do circo sempre me causaram medo, porque se tiverem fome atacam qualquer um! Isso devia ser proibido! o resto não me assusta! Que mal é que aquela gente pode fazer? Eles só trabalham com os bilhetes todos ou quase todos, vendidos! Quando começam a trabalhar, já têm o dinheiro ganho! E mesmo não se entra num circo qualquer! pelo aspecto do circo montado ficamos logo com a ideia, se presta ou não. Eu ainda sou do tempo em que havia os saltimbancos, estendiam uma manta no chão e juntava-se tudo em volta! depois no fim pediam o que as pessoas quisessem dar!
  • António Albergaria
    06 dez, 2019 Vila Nova de Gaia 11:29
    Um convite à não ida ao circo? Parece-me implícito e maia do que evidente, Logo não indo, não há receitas. Logo não havendo receitas mais pobres ficam. Logo não entendo, Henrique Raposo, esta sua crónica-opinião.