|
A+ / A-

Loja comunitária em Braga empresta equipamento para limpeza e manutenção de áreas verdes

04 dez, 2019 - 11:49 • Isabel Pacheco

O projeto, lançado a pensar no meio ambiente, funciona na união das freguesias de Arentim e Cunha.

A+ / A-

A união de freguesias de Arentim e Cunha, em Braga, criou uma loja comunitária que empresta gratuitamente equipamento para a limpeza e manutenção das áreas verdes.

O funcionamento do espaço assenta na “partilha”, explica o autarca José Afonso, adiantando que o objetivo do projeto é reduzir o “consumismo” e “ajudar o ambiente”. Uma espécie “de dois em um” em que o “útil se junta ao agradável”, resume.

No espaço, entre as máquinas há motosserras, destroçadores de biomassa ou roçadoras. Todo o material está à disposição gratuitamente da população de Arentim e de Cunha na loja comunitária que o autarca acredita ser “a primeira” do género país.

“Se cada família comprasse uma máquina destas para usar uma única vez seria um mau investimento. Assim, a Junta fez esse investimento e coloca os utensílios à deposição, através da partilha de recursos.”

Um ajuda que quer, ainda, facilitar a vida, por exemplo, na hora de limpar os terrenos e, ao mesmo tempo, “acabar com as queimadas” e com o “uso de pesticidas”, através do recurso a equipamentos que permitem a reutilização dos resíduos biomassa e a destruição de ervas “sem recurso a químicos”.

“Isto é já uma prevenção para o futuro”, sublinha o autarca, convencido de que não tardará que outras juntas de freguesia sigam o exemplo de Arentim e Cunha: “Tenho quase a certeza que outras freguesias vão olhar para este projeto e aderir a uma situação semelhante à nossa."

Sediada no edifício da junta de freguesia de Cunha, a loja comunitária é um projeto financiado em 25 mil euros pelo programa "juntar+" do fundo ambiental.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.