|
A+ / A-

INEM abre inquérito à morte de Carlos Amaral Dias

04 dez, 2019 - 18:27 • Redação

Psicanalista morreu alegadamente em ambulância, duas horas depois de ter pedido assistência médica.

A+ / A-

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) decidiu abrir um inquérito à assistência prestada ao psicanalista Carlos Amaral Dias, que morreu esta terça-feira.

A notícia é confirmada em comunicado da instituição, após o jornal "Correio da Manhã" ter divulgado que o óbito ocorreu numa ambulância, quase duas horas depois de o médico ter ligado para a linha de emergência médica.

"Após análise da informação disponível relativamente a esta ocorrência, o Conselho Diretivo do INEM determinou a instauração, no imediato, de um processo de inquérito para aferir com rigor todas as circunstâncias relacionadas com a situação e apuramento de eventuais responsabilidades", pode ler-se no texto enviado às redações.

De acordo com o INEM, o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) "recebeu uma chamada encaminhada pela Central 112, com um pedido de socorro para um homem de 73 anos com queixas de dificuldade respiratória. Tendo em consideração os sinais e sintomas referidos pelo contactante e após realizar a respetiva triagem clínica, o CODU acionou imediatamente uma Ambulância de Socorro dos Bombeiros Voluntários (BV) do Beato".

Carlos Amaral Dias nasceu em 1946, em Coimbra, tendo tido quatro filhos, entre eles a ex-deputada Joana Amaral Dias. Tinha abandonado há cerca de um mês, a pedido do próprio, a direção do Instituto Miguel Torga, à frente do qual esteve mais de duas décadas.

[Notícia atualizada às 18h50]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.