|
A+ / A-

Hospitais da Universidade de Coimbra. Ordem alerta para perigo de falência da urgência por causa da falta de médicos

04 dez, 2019 - 17:20

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos alerta para a situação "incomportável" e "de extrema gravidade" no serviço de urgência dos HUC, que é “um dos maiores do país”

A+ / A-

Vinte médicos especialistas em medicina interna enviaram declaração de responsabilidade à Ordem dos Médicos face à escassez das equipas nas urgências dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC).

A Secção Regional do Centro (SRC) da Ordem dos Médicos (OM) alerta para a situação "incomportável" e "de extrema gravidade" no serviço de urgência dos HUC, que é “um dos maiores do país” e um dos polos do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

A situação, afirma a SRC da Ordem, deve-se “às dificuldades em cumprir a escala de medicina interna”.

Para este serviço de urgência, as recomendações técnicas da OM “estipulam uma escala diária com um mínimo de cinco especialistas em medicina interna”, mas, “atualmente, e ao arrepio dessa recomendação, apenas estão três médicos internistas”, sublinha.

“Para piorar a situação, a partir do dia 14 deste mês [de dezembro], numa das épocas mais críticas de afluência ao serviço de urgência, a equipa ficará reduzida para dois médicos internistas”, adianta a mesma nota.

A Ordem está a receber, desde o início da semana, declarações de responsabilidade dos médicos da urgência devido a esta “inédita carência de recursos humanos e que terá um impacto negativo direto na assistência aos doentes”, acrescenta a SRC da Ordem.

"O excesso de trabalho, neste mês em que a afluência ultrapassa em muito a média diária anual, poderá conduzir à exaustão das equipas e à falência assistencial”, destaca o presidente da SRC da OM, Carlos Cortes, que “lamenta que a política de contratação de recursos humanos médicos para os HUC seja um absoluto desastre”.

A política de contratação de médicos nos HUC é “agravada pela péssima planificação de recursos humanos levada a cabo pelo Ministério da Saúde”, salienta ainda, citado na nota da SRC da OM, Carlos Cortes.

Não está em causa “só a capacidade de atendimento”, mas também “o evidente risco clínico que poderá advir sobre os doentes", adverte.

O grupo de vinte médicos chama à atenção para o facto de as equipas escaladas para a urgência não cumprirem “os mínimos recomendados pelo Colégio de Especialidade de Medicina Interna" e “explica em detalhe as condições em prestam cuidados de saúde”.

Isto é, explicitam os clínicos, "para os 465 doentes/dia, atendidos em média na urgência polivalente dos HUC, a equipa deveria ser composta, "no mínimo e em simultâneo, por cinco especialistas de medicina interna e dez outros médicos com autonomia clínica, no período de maior afluência".

Contactado pela agência Lusa, o CHUC informou que na quinta-feira deverá reagir a esta denúncia da Ordem.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.