|
A+ / A-

Sporting

Manuel Fernandes recorda ataque em Alcochete. "Vi Bas Dost a chorar com sangue na cabeça"

03 dez, 2019 - 12:35 • Redação

Antigo coordenador de scouting dos leões estava na Academia durante o ataque e foi ouvido, como testemunha, no Tribunal de Monsanto.

A+ / A-

Manuel Fernandes marcou presença no Tribunal de Monsanto, como testemunha do caso de Alcochete. O antigo diretor de scouting do Sporting estava na Academia durante o ataque e recordou o incidente.

"Fui ao balneário ver o que se estava a passar. Ninguém veio atrás de mim. Vi Bas Dost com sangue na cabeça, deitado no chão, com uma pessoa a agarrá-lo. À entrada do balneário. Estava a chorar. No balneário vi muito fumo, fumo verde. Vi os adeptos dentro do balneário e pelo corredor. No balneário eram quatro ou cinco a falar, a gritar. Inclusivamente disse-lhes para terem calma. Não vi quem agrediu Bas Dost. Já estava agredido", disse.

O antigo jogador e dirigente do Sporting recorda ainda que Misic também foi agredido e lamenta a situação de "intimidação" e "ameaça".

"Não me lembro de insultos. Lembro me de falarem alto, dizerem que era uma vergonha. Não direi para intimidar mas desgostosos com o que se passou. Uma pessoa mascarada disse-me: 'desvia-te, Manuel, que isto não é contigo'. O rapaz que me disse para sair da frente vinha com um cinto na mão. Tirando os gritos e a intimidação verbal, não vi agressões. Falar alto para mim é uma ameaça. É aquilo que as claques fazem no futebol. Estavam descontentes. O Misic também teve um problema. Ele nunca fez mal a ninguém. Nem era titular e não merecia. Eu não falei com o Misic, só o vi", recorda.

Decorre esta terça-feira o oitavo dia de julgamento no âmbito da investação após as agressões do dia 15 de maio, na Academia de Alcochete.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.