|
A+ / A-

Greta em Lisboa. "É impossível viver de forma sustentável hoje em dia e isso tem de mudar"

03 dez, 2019 - 09:39 • Beatriz Lopes , Joana Gonçalves , Daniela Espírito Santo

Ativista sueca de 16 anos deixou recados aos adultos antes de seguir para Madrid, onde vai participar na COP25.

A+ / A-
Greta em Lisboa: “Nenhum país no mundo está a fazer o suficiente”
Greta em Lisboa: “Nenhum país no mundo está a fazer o suficiente”

Greta Thunberg chegou esta manhã à Doca de Santo Amaro, em Lisboa, depois de uma viagem de 21 dias a bordo do catamarã La Vagabonde. À chegada à capital portuguesa, a ativista agradeceu o apoio e reiterou a vontade de lutar para que "quem está no poder ouça a ciência".

Consciente de que nem todos podemos fazer viagens similares, Greta Thunberg desabafou. "É impossível viver de forma sustentável hoje em dia e isso tem de mudar".

"Grata por ter feito esta viagem e ter tido esta experiência", a jovem assegurou que os ativistas que a acompanham não vão parar. "Nós vamos continuar a fazer tudo o que for possível", disse, num discurso improvisado na doca lisboeta, rodeada de centenas de pessoas. Também aproveitou para responder aos adultos que a consideram uma criança "zangada". "Sim, estamos zangados e estamos frustrados. Se os adultos não querem que estejamos zangados, devem parar de nos fazer sentir zangados", ripostou.

Greta Thunberg recebida por dezenas de ativistas em Lisboa
Greta Thunberg recebida por dezenas de ativistas em Lisboa

A jovem de 16 anos garantiu que "estar isolada três semanas num espaço tão limitado" foi "muito relaxante" e a fez sentir-se com novas forças para enfrentar a luta contra as alterações climáticas. "Sinto-me energizada. Vou continuar a lutar".

"É fantástico estar de volta a casa, à Europa. Foi uma aventura e tanto. Sabe bem voltar", admitiu.

Antes de seguir para Madrid, onde vai discursar na COP25, garantiu que vai continuar a viajar e a "pressionar as pessoas no poder" para que as alterações climáticas sejam "uma prioridade". "Vamos continuar a lutar para garantir que as vozes das pessoas sejam ouvidas, que as vozes das futuras gerações sejam ouvidas", até porque, garante, "nenhum país do mundo está a fazer o suficiente".

"Estamos a enfrentar uma emergência global"

"Estamos a enfrentar uma emergência global e precisamos de trabalhar juntos para garantir condições de vida para a Humanidade. Temos de lutar não só por nós mas pelos nossos filhos. Toda a gente tem de fazer tudo o que pode para garantir que fica do lado certo da História", repetiu.

Questionada sobre o aeroporto do Montijo, Greta lamentou não conhecer a questão a fundo, mas reiterou que todos os planos para o futuro têm de ser "colocados numa perspetiva mais ampla", para ver "se realmente nos podem beneficiar".

A ativista sueca de 16 anos viajou acompanhada pelo pai e pelo casal de youtubers autralianos proprietário do barco que os transportou.

Entre os ativistas que esperavam Greta Thunberg na doca de Santo Amaro estão André Silva, deputado e porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza (PAN), Hugo Carvalho, presidente do Conselho Nacional de Juventude do PSD e José Maria Cardoso, do Bloco de Esquerda.

Também o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, fez questão de estar presenta à chegada da ambientalista a Lisboa.

Thunberg deverá seguir para um hotel onde vai descansar até retomar a viagem de comboio em direção a Madrid, para participar na cimeira da ONU sobre o clima.

Greta atravessou o oceano de barco em setembro passado para participar numa cimeira sobre alterações climáticas em Nova Iorque, convocada pelo secretário-geral da ONU, António Guterres. A jovem recusou viajar num avião, que polui, e optou por um barco à vela.

Depois de participar na cimeira de Nova Iorque a jovem ativista deveria ter viajado para o Chile, para a cimeira anual da ONU sobre o clima, no caso a chamada COP25. À última da hora o Chile renunciou à organização do encontro devido à instabilidade social no país, tendo a COP25 passado para Madrid.

Por esse motivo a jovem sueca embarcou em 13 de novembro, de regresso à Europa, no “La Vagabonde”. Greta Thunberg é hoje uma das vozes mais conhecidas na defesa do ambiente e as greves climáticas que iniciou são agora seguidas por milhões de jovens do mundo inteiro.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    04 dez, 2019 11:55
    JMTavares no Público de 3-12-19 “respondendo” a Greta Thunberg: «Ainda há dias, escreveste um artigo em conjunto com duas outras jovens activistas onde dizias isto: “A crise climática não é apenas sobre o ambiente. É uma crise de direitos humanos, de justiça e de vontade política. sistemas de opressão coloniais, racistas e patriarcais criaram-na e alimentaram-na. Nós precisamos de os desmantelar a todos”… Ser conservador no ambiente e revolucionário na política é um cocktail explosivo. Ainda és muito nova para o beber».
  • Joana Silva
    03 dez, 2019 Lisboa 14:48
    Haja pachorra...viajar em iate desde a América do Sul é sustentável para quem? A sério, vai estudar Greta.