|
A+ / A-

Monsenhor Arnaldo Pinto Cardoso lança livro sobre devoção a São Pedro

02 dez, 2019 - 15:37 • Aura Miguel

"Portugal tem uma relação privilegiada com o sucessor de Pedro ainda antes da independência", diz o autor à Renascença.

A+ / A-

O Monsenhor Arnaldo Pinto Cardoso vai apresentar, esta segunda-feira, o livro "Simão Pedro - Testemunho e Memória do discípulo de Jesus Cristo".

"Portugal tem uma relação privilegiada com o sucessor de Pedro ainda antes da independência", refere o autor em entrevista à Renascença, reconhecendo que o "facto de Pedro" se impôs à sua vida, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações: arte, religião, cultura, teologia, exegese, liturgia, arqueologia e vida eclesial.

No livro, o Monsenhor Arnaldo Cardoso inclui representações de São Pedro exclusivamente portuguesas e confirma que a devoção a São Pedro é anterior à independência de Portugal, como é caso, por exemplo, das capelas de São Pedro de Balsemão e São Pedro das Águias, na zona de Lamego.

Esta devoção viria a ser consolidada na Idade Média, através das ordens religiosas e, de forma mais recente, confirmada nas aparições da Cova da Iria.

Para Monsenhor Cardoso, "há uma ligação de Fátima com Roma" que "será certamente acentuada na próxima jornada mundial da juventude, quando o sucessor de Pedro vier a Portugal".

O livro, com chancela Aletheia e prefácio do bispo de Lamego, António Couto, será apresentado pelo padre António Rego esta segunda-feira, 2 de dezembro, na Sala Cónego Abranches da Igreja de Nossa Senhora de Fátima, na Avenida de Berna, em Lisboa, pelas 18h30.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.