|
A+ / A-

Euromilhões. ‘Jackpot’ vai subir para 200 milhões de euros

02 dez, 2019 - 13:37 • Redação

Aumento de 10 milhões de euros entra em vigor em fevereiro.

A+ / A-

O primeiro prémio do Euromilhões vai aumentar para um máximo de 200 milhões de euros a partir de fevereiro de 2020. Atualmente, o ‘jackpot’ tem um limite máximo de 190 milhões de euros.

Esta alteração entra em vigor a partir do sorteio de 4 de fevereiro de 2020, de acordo com o estipulado em portaria publicada em Diário da República, assinada pela ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança, Ana Mendes Godinho.

“Tendo em conta que a última revisão da estrutura do jogo ocorreu há mais de três anos, e procurando ir ao encontro, em alinhamento com a filosofia do produto, da evolução das tendências atuais, afigura-se oportuno proceder à respetiva atualização, através da otimização dos parâmetros e regras do jogo que se espelham, nomeadamente, na revisão das percentagens de alocação das receitas às categorias de prémios e ao fundo de reserva, bem como no aumento faseado do valor máximo que o jackpot pode atingir”, pode ler-se na portaria.

O Euromilhões é um jogo social do Estado disponibilizado em Portugal e em mais oito países europeus (Espanha, França, Reino Unido, Irlanda, Áustria, Bélgica, Luxemburgo e Suíça), cuja filosofia “consiste na atenção dedicada à inovação do produto, de modo a adequá-lo às tendências atuais”.

Por isso, “procura-se o aumento da base de apostadores atraindo novos perfis, no sentido de incrementar as receitas que, a jusante, revertem para as causas sociais, com o objetivo de dar resposta às inúmeras solicitações e aos crescentes desafios nesta matéria, cometidos, legalmente, aos beneficiários das receitas dos jogos sociais do Estado”, esclarece a portaria.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.