|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

A NATO na crise dos 70 anos

02 dez, 2019 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A crise da Aliança Atlântica tem a ver com o seu sucesso: enfrentou o comunismo soviético e ganhou a guerra fria. E agora Trump parece desinteressar-se da Europa, alterando a política externa americana desde o fim da II guerra mundial.

Amanhã, numa cimeira em Londres, a NATO celebra 70 anos, feitos em Abril. Mas não haverá muito para festejar: a Aliança Atlântica não estará em “morte cerebral” (como classificou Macron a crise atual) mas atravessa um momento difícil. Paradoxalmente, em boa parte por causa do seu sucesso, ao enfrentar o expansionismo soviético, ganhando a guerra fria.

A NATO nasceu em 1949. Três anos depois surgia a primeira tentativa (falhada) de criar uma defesa europeia, juntando os velhos inimigos francês e alemão: a Comunidade Europeia de Defesa (CED), integrando os seis países que haviam constituído a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço. Os EUA estavam interessados nesta iniciativa, que permitiria rearmar a Alemanha Ocidental sem suscitar demasiados receios. Mas a CED não passou na Assembleia Nacional francesa em 1954, graças aos votos de comunistas e de partidários do general de Gaulle.

Nas décadas seguintes os americanos ficavam quase sempre nervosos quando se punha a hipótese de uma defesa europeia, temendo que ela desvalorizasse a NATO. Por seu turno, os países europeus instalaram-se à sombra do poderio militar americano – era mais cómodo e mais barato do que investir na área da defesa.

Acontece que Trump mudou quase tudo. Começou por considerar a NATO “obsoleta”. Depois, não só exigiu dos europeus que gastem mais na área militar (no que tem razão e presidentes americanos anteriores já o haviam solicitado, mas com menor convicção), como permitiu dúvidas sobre se o presidente dos EUA cumpriria o art.º 5º do tratado da Aliança: um ataque a um país da NATO é considerado um ataque a todos os membros da Aliança.

Macron insiste na urgência de uma defesa militar europeia, eventualmente fora do quadro da UE. Mas há quem veja na iniciativa do presidente francês uma intenção oculta de largar a NATO e de promover a influência de Paris na política europeia de defesa. Estas dúvidas manifestam-se sobretudo em Berlim, enquanto os países próximos da Rússia, como a Polónia, não querem perder o envolvimento americano na sua proteção – vejam-se a Ucrânia, a Crimeia e a Geórgia, onde os russos entraram militarmente. Ou os bálticos, que a Rússia ameaça veladamente.

Por outro lado, com o Brexit passa a existir na UE apenas uma potência nuclear, a França. Qualquer esboço sério de concretizar uma defesa europeia não poderá prescindir da participação britânica.

Entretanto, será prudente que os europeus olhem a sério para o fraco investimento que têm feito nas suas capacidades militares. Não é animador, por exemplo, que a Alemanha calcule que só daqui a 12 anos gastará na defesa os 2% do PIB a que os membros da NATO se obrigaram.

Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Silva
    02 dez, 2019 16:47
    Mais do que Trump desinteressar-se pela Europa, parece que é a própria Europa que há muito deixou de se interessar por si mesma. E talvez razões não lhe faltem...