|
A+ / A-

Fátima

Cardeal D. António Marto desafiou os cristãos a ser "entusiastas" ao falar de Deus

30 nov, 2019 - 22:43 • Agência Ecclesia

Santuário acolheu Jornada de Apresentação do Tema do Ano Pastoral.

A+ / A-

O cardeal D. António Marto presidiu este sábado à Jornada de Apresentação do Tema do novo Ano Pastoral do Santuário de Fátima, "Dar graças por viver em Deus", convidando os cristãos a ser “entusiastas” ao falar de Deus.

“A vida invisível, que não dá nas vistas, é um dos grandes dons de santidade” afirmou o bispo de Leiria-Fátima, lembrando que os Santos Francisco e Jacinta Marto não “conheceram a realidade das redes sociais ou a fama”, mas eram “santos dos pequenos gestos, dos pequenos detalhes que brotavam do coração”. “Eles, como tantos outros hoje, não apareciam nem aparecem nos telejornais, mas os seus gestos continuam a sustentar o mundo”, indicou, numa intervenção divulgada pelo site do Santuário de Fátima.

O cardeal português lamentou que a santidade seja hoje envolta em “estereótipos e preconceitos”, destacando que a mesma “está ao alcance de todos e não apenas de uns eleitos”. “Ser santo não significa revirar os olhos num suposto êxtase, mas configurar a vida à misericórdia do Senhor, reconhecendo Jesus Cristo como aquele que vem ao encontro dos pobres e sofredore”.

O reitor do Santuário de Fátima, padre Carlos Cabecinhas, indicou por sua vez que o novo ano pastoral pretende “ajudar os peregrinos a tomarem consciência da sua vocação à santidade enquanto vida em Deus”.

O sacerdote quis sublinhar que os peregrinos são convidados a descobrir “Fátima como `escola de santidade´, quer na espiritualidade cristã proposta pela mensagem de Fátima, quer na vida dos Santos Pastorinhos”. “Nos santos Francisco e Jacinta, ao celebrarmos os cem anos das suas mortes, os peregrinos são desafiados a descobrir a exortação a viverem a santidade nas suas vidas. Esta exortação à santidade decorre da condição de batizados: todos os batizados são chamados a serem santos”, acrescentou.

A dinâmica pastoral do ano tem como referência, além da efeméride do centenário da morte de Santa Jacinta Marto, os centenários da primeira escultura de Nossa Senhora de Fátima e o da ordenação episcopal de D. José Alves Correia da Silva, primeiro bispo da recém-restaurada Diocese de Leiria.

O tema do ano foi apresentado pelo padre João Aguiar Campos, antigo diretor do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais, o qual sublinhou que “Fátima é interioridade” e “uma escola que tem Maria como professora da centralidade de Deus”.

“Fátima é interioridade, caminho a partir de dentro para fora: da conversão pessoal à transformação do mundo; Fátima é escola de oração na oração adoradora e contemplativa de Francisco; na oração generosa, compassiva e esquecida de si de Jacinta; na afirmação da presença misericordiosa de Deus na história, que Lúcia não se cansou de proclamar”, referiu.

A Jornada de Apresentação do Ano Pastoral foi precedida da inauguração da exposição comemorativa do centenário da primeira escultura de Nossa Senhora de Fátima, intitulada ‘Vestida de Branco’.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • zaico uchiha
    01 dez, 2019 12:49
    Bem ditas todas as mulheres e de entre elas a Virgem Maria, por elas alterou Deus as suas próprias regras para com a humanidade e nem mesmo assim foram visíveis para o homem.