Tempo
|
A+ / A-

Ataque na Ponte de Londres. Dois civis mortos, três feridos e um suspeito abatido

29 nov, 2019 - 14:27 • Redação

Situação está controlada, diz primeiro-ministro. Polícia Metropolitana confirma número de vítimas do esfaqueamento. Caso está a ser tratado como um ato terrorista.

A+ / A-
Ataque terrorista na Ponte de Londres faz três mortos e vários feridos
Ataque terrorista na Ponte de Londres faz três mortos e vários feridos

Um homem foi morto a tiro esta sexta-feira pela polícia, após um incidente com uma arma branca, na Ponte de Londres. Dois civis morreram e três ficaram feridos em resultado do ataque, avança a polícia.

Tratou-se de um ataque terrorista, já confirmado pela Polícia Metropolitana da cidade. O primeiro-ministro britânico afirma que a situação está controlada e agradeceu a corajosa intervenção dos civis que ajudaram a apanhar o suspeito.

A ocorrência começou por volta das 14h00, tendo um suspeito sido detido depois de ter esfaqueado várias pessoas. A intervenção de civis foi determinante para imobilizar o suspeito.

A ponte está encerrada ao trânsito de pessoas e veículos, assim como a estação de metro adjacente.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirma que o incidente na Ponte de Londres foi, aparentemente, contido.

Numa declaração televisiva sobre os acontecimentos desta tarde, em Londres, Boris Johnson deixou uma palavra de agradecimento aos civis que ajudam a controlar o suspeito.

“Quero prestar o meu tributo à coragem extraordinária dos membros do público que atuaram fisicamente para proteger a vida de outros. Para mim, eles representam o melhor do nosso país e agradeço-lhes em nome de todo o nosso país”, declarou o primeiro-ministro britânico, que suspendeu as suas ações de campanha para as eleições legislativas.

As investigações continuam e Boris Johnson promete que todos os envolvidos serão levados a responder perante a justiça. Deixou uma palavra especial para as pessoas que ficaram feridas neste ataque e garante que o Reino unido nunca se vai deixar intimidar ou dividir por causa destes ataques.

A polícia, pela voz do comissário Neil Basu, explica que as imediações da ponte vão continuar cortadas, nomeadamente para garantir a ausência de explosivos. Porém, o dispositivo que o atacante entretanto abatido teria junto ao corpo deverá ser falso, adiantou.

Neil Basu anunciou ainda um reforço do policiamento na cidade, tendo-se retirado de seguida para prestar informação sobre o caso ao primeiro-ministro Boris Johnson, em Downing Street.

O presidente da Câmara de Londres, Sadiq Khan, garantiu que a polícia não está à procura de mais suspeitos e agradeceu o "heroísmo" dos transeuntes que terão tido intervenção no incidente, paralisando o suspeito. “Foram em direção ao perigo, arriscando a sua segurança pessoal para salvar outras pessoas. Mostraram o melhor de nós”, declarou.

Momento registado nas redes sociais

Vídeos e fotografias publicadas no Twitter mostram vários veículos da polícia a cortar o trânsito num dos sentidos. Um vídeo de 14 segundos permite ver três polícias com armas apontadas a um homem no chão. A Reuters não conseguiu verificar a autenticidade das filmagens.

Antes disso, um repórter da BBC, John McManus, disse ter visto um grupo de homens envolvidos numa luta na ponte.

As autoridades encerraram, de imediato, a zona em redor da Ponte de Londres, o que provocou a fuga de dezenas de transeuntes.

Fotografias do local mostram também um camião a bloquear parte das faixas de rodagem, desconhecendo-se se há uma relação com este incidente.

Via Twitter, o primeiro-ministro Boris Johnson declarou, inicialmente, estar a receber informações sobre o incidente a agradeceu a resposta "imediata" da polícia e das forças de segurança.

O líder do partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, também reagiu no mesmo sentido. Há eleições gerais a 12 de dezembro no Reino Unido. Ou seja, daqui a menos de duas semanas.

[em atualização]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.