Tempo
|
A+ / A-

Presidente do conselho nacional de Ética com “sinceras dúvidas” sobre referendo à eutanásia

28 nov, 2019 - 14:14 • Lusa

Questionado sobre a possibilidade de um referendo sobre a morte medicamente assistida, Jorge Soares afirmou ter dúvidas, apesar de admitir que o assunto, em si, pode ser referendado.

A+ / A-

O presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV), Jorge Soares, admite ter “sinceras dúvidas” que o referendo seja o “instrumento mais útil” em democracia para ouvir “a maioria das pessoas”, questionado sobre uma eventual consulta sobre a eutanásia.

Questionado pela agência Lusa sobre a possibilidade de um referendo sobre a morte medicamente assistida, dado que o parlamento tem de novo pendentes projetos de lei nesse sentido, Jorge Soares afirmou ter dúvidas, apesar de admitir que o assunto, em si, pode ser referendado.

“É muito discutível. Não tenho uma posição pessoal. Eu poderia dizer que sim, que é um assunto a referendar, mas tenho sinceras dúvidas de que seja o instrumento político mais útil para, em democracia, fazer uma auscultação das pessoas”, afirmou, depois de uma reunião com o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues.

No anterior processo legislativo, entre 2017 e 2018, Jorge Soares, que já então era presidente do CNECV, defendeu um debate alargado na sociedade sobre a morte medicamente assistida.

O conselho organizou um conjunto de debates, descentralizados, pelo país, que resultou num livro com conclusões.

Em 2018, todos projetos sobre a morte medicamente assistida, do BE, PS, PAN e PEV, foram chumbados e o assunto passou para a atual legislatura, saída das eleições de 06 de outubro.

O Bloco de Esquerda, PAN e PS já anunciaram os seus projetos no primeiro mês de legislatura.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.