|
A+ / A-

Jorge Jesus recorda a avó, Pedro Álvares Cabral e as telenovelas. "Ensinaram-me que o Brasil é país irmão"

25 nov, 2019 - 15:57 • Redação

O treinador português foi condecorado como cidadão honorário do Rio de Janeiro, pela conquista da Taça Libertadores pelo Flamengo, e recordou os pontos de contacto entre Brasil e Portugal.

A+ / A-

Jorge Jesus mostrou-se bastante sentido, durante a homenagem como cidadão honorário do Rio de Janeiro, esta segunda-feira. Não faltou a referência a Portugal: "O meu país está orgulhoso de mim, de certeza."

"Antes de ser cidadão carioca, já era cidadão brasileiro, porque Portugal está ligado ao Brasil desde 1500, quando Pedro Álvares Cabral atracou em porto seguro. Os meus professores ensinaram-me que o Brasil era um país irmão. Foi assim que eu fui educado. Hoje, ao ser homenageado, sinto um grande orgulho, porque se eu estou aqui, devo a duas coisas importantes: primeiro, aquilo que eu amo, o futebol; segundo, pela oportunidade que o Flamengo me deu de vir treinar o maior clube do mundo", enalteceu o técnico português.

Jorge Jesus salientou que a sua ligação ao Brasil, ao Flamengo e à cidade e estado do Rio de Janeiro deriva do futebol, "que faz parte da cultura de um povo". "E o futebol, no Brasil, é cultura", sublinhou.

"Há 40 anos, as telenovelas brasileiras começaram a entrar em todas as casas dos portugueses. Nos começámos a conhecer a cultura brasileira e muitos cantores brasileiros que estiveram em Portugal. E hoje já há muitos cantores portugueses e atores portugueses a fazer novelas", contou.

O treinador do Flamengo revelou, ainda, entre lágrimas, que tem sangue brasileiro a correr-lhe nas veias (e artérias): "Portugal e Brasil sempre estiveram ligados. No meu sangue e no vosso, porque a minha avó era brasileira, corre muito do que é Portugal e Brasil. Fiquei um bocadinho emocionado, porque há uma ligação muito estreita entre estes dois países."

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.