|
A+ / A-

​PS prevê eutanásia para doença incurável e fatal com pareceres de médicos e comissão de avaliação

22 nov, 2019 - 20:13 • Vítor Mesquita, com Lusa

Diploma socialista admite eutanásia em casos de "em sofrimento extremo, com lesão definitiva ou doença incurável e fatal". Para a concretização da morte antecipada, é necessário passar-se por cinco fases.

A+ / A-

O diploma do PS que regula a eutanásia prevê a morte a pedido de um doente "em sofrimento extremo, com lesão definitiva ou doença incurável e fatal", com parecer de, pelo menos, dois médicos e uma comissão de avaliação.

“Mantivemos o rigor e as fases todas do procedimento clínico e reforçámos o que diz respeito à consciência da pessoa. A pessoa tem que estar consciente, tem que manifestar por várias vezes no processo que mantém a vontade de antecipar a sua morte, não podendo nunca a vontade ser transferida para outro momento. Se por algum motivo se arrepender ou tiver dúvidas, a vontade é revogada e o procedimento pára. Eu penso que o importante é que seja uma vontade atual, livre e esclarecida. É um passo na autonomia individual da pessoa, mas só nestas condições especialíssimas”, disse à Renascença a deputada socialista Maria Antónia Almeida Santos.

Para a concretização da morte antecipada, é necessário passar-se por cinco fases, incluindo um parecer de um "médico orientador", de um médico especialista na patologia de que o doente padeça, e, eventualmente, de um médico psiquiatra, assim como da "Comissão de Verificação e Avaliação do Procedimento Clínico de Antecipação da Morte".

Para todas estas fases haverá um "Registo Clínico Especial que integrará todas as fases do procedimento clínico", lê-se na exposição de motivos do projeto de lei do PS hoje divulgado.

"O pedido de abertura do procedimento clínico é efetuado pelo doente, que tem de ser uma pessoa maior, em situação de sofrimento extremo, com lesão definitiva ou doença incurável e fatal", estabelece a proposta de diploma.

O primeiro passo do processo é o pedido "dirigido ao médico escolhido pelo doente, o médico orientador", constituindo uma segunda fase do procedimento clínico a realização de parecer por parte desse médico.

"O médico orientador emite parecer sobre se o doente cumpre todos os requisitos e presta-lhe toda a informação e esclarecimento sobre a situação clínica que o afeta, os tratamentos aplicáveis, viáveis e disponíveis e o respetivo prognóstico, após o que verifica se o doente mantém e reitera a sua vontade, devendo a decisão do doente ser registada por escrito, datada e assinada", sustenta-se.

Uma terceira fase passa pela confirmação pelo "médico especialista na patologia que afeta o doente", e, se este parecer "não for favorável à antecipação da morte do doente, contrariando, assim, o parecer do médico orientador, o procedimento em curso é cancelado, só podendo ser reiniciado com novo pedido de abertura".

A verificação por médico especialista em psiquiatria constitui uma quarta fase, mas só nos casos previstos no projeto de lei.

Esta será obrigatória sempre que o "médico orientador e/ou o médico especialista tenham dúvidas sobre a capacidade da pessoa para solicitar a antecipação da morte revelando uma vontade séria, livre e esclarecida", ou admitam que a pessoa é "portadora de perturbação psíquica".

Se estas situações forem confirmadas pelo psiquiatra o procedimento é cancelado.

Numa quinta fase, são "recolhidos os pareceres favoráveis dos vários médicos intervenientes, e reconfirmada a vontade do doente", e o médico orientador remete a informação e pede parecer à Comissão de Verificação e Avaliação do Procedimento Clínico de Antecipação da Morte".

No caso de parecer desfavorável desta comissão, o procedimento em curso é cancelado.

Esta comissão é "totalmente composta por membros indicados por entidades independentes da área da justiça, saúde e bioética".

A proposta estabelece que, "no caso de o doente ficar inconsciente antes da data marcada para a antecipação da morte, o procedimento é interrompido e não se realiza, salvo se o doente recuperar a consciência e mantiver a sua decisão".

O projeto de lei prevê que o ato de antecipação da morte pode ser praticado no domicílio ou noutro local indicado pelo doente, "desde que o médico orientador considere que o local dispõe de condições adequadas para o efeito", e, além do médico orientador e de outros profissionais de saúde envolvidos, podem estar presentes as pessoas indicadas pelo doente.

A competência de fiscalização e avaliação é atribuída à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS).

[notícia atualizada às 23h59]

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.