|
A+ / A-

​PSD apela a manifestação pacífica e mostra-se disponível para receber forças de segurança

21 nov, 2019 - 16:02 • Susana Madureira Martins com Lusa

Vice-presidente do PSD disse entender as reivindicações, acusando o Governo de "brutal desinvestimento".

A+ / A-

O PSD apelou às forças de segurança que se manifestam esta quinta-feira em Lisboa para que realizem um protesto pacífico, lembrando que a violência não ajuda ao diálogo.

"Creio que esta manifestação vai ser cordata, pacífica, respeitadora. As forças de segurança sabem que poderão contar com as forças políticas representadas no parlamento", disse aos jornalistas o vice-presidente da bancada social-democrata Carlos Peixoto, acrescentando que nenhum setor ganha com "manifestações agressivas ou violentas".

Nestas declarações aos jornalistas, Peixoto disse entender a manifestação e as suas reivindicações, acusando o Governo de "brutal desinvestimento", tendo manifestado disponibilidade para receber no parlamento qualquer associação ou sindicato que o solicite.

Carlos Peixoto explicou ainda as razões pelas quais o PSD não pretende juntar-se, na rua, ao protesto convocado pela Associação Sindical dos Profissionais da Polícia (ASPP/PSP) e Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), que terminará precisamente em frente à Assembleia da República.

"Entendemos que esse é o palco para os agentes de autoridade que se estão a manifestar, o palco para os decisores políticos é no interior do parlamento para, de forma institucional, receber as instituições, ouvi-las e acolher ou não as suas pretensões", justificou.

Por isso, manifestou a disponibilidade da bancada do PSD para receber "quaisquer associações ou sindicatos" que solicitem uma audiência - o que ainda não aconteceu -, "quer hoje ou em qualquer outro dia".

Carlos Peixoto começou por salientar que "a manifestação é um direito constitucional e um exercício de cidadania".

"O PSD entende e aceita claramente esta manifestação que está a decorrer das forças policiais. Entendemos as reivindicações das forças policiais, sabemos que o último governo desinvestiu brutalmente nesta área", acusou, sublinhando que "saíram mais polícias do que os que entraram".

O vice-presidente da bancada do PSD manifestou ainda disponibilidade para, depois de falar com as associações e sindicatos, "avaliar detalhadamente" a possibilidade de avançar com iniciativas legislativas para "sensibilizar o Governo a agir".

"Não faz sentido que, relativamente aos magistrados, o Governo tenha acolhido todas as suas pretensões remuneratórias e, relativamente às polícias, nada tenha dito e nada tenha previsto", criticou.

Em Zagreb, onde está a acompanhar o congresso do Partido Popular Europeu, também o líder do PSD apelou a uma manifestação pacífica, em declarações captadas pela TSF.

"Compreendo uma manifestação de desagrado. Agora, o que eu não compreenderei de certeza absoluta é se nesta manifestação voltarem a aparecer casos, como já tivemos no passado, seja naquela cena de tentar subir a escadaria da Assembleia, seja há muitos mais anos naquele famoso confronto de secos e molhados", afirmou.

"Aquilo que eu digo é muito simples: percebo perfeitamente as razões da manifestação, aceito a manifestação, mas pacífica e que jamais se volte a dar uma imagem de polícias contra polícias", afirmou Rio, apelando a que a manifestação decorra da forma "mais ordeira possível" sob pena de quem protesta perder "completamente a razão".

Elementos da PSP e da GNR manifestam-se esta quinta-feira em Lisboa para pressionarem o novo Governo a cumprir as reivindicações da classe e as promessas do anterior executivo, num protesto que se iniciou no Marquês do Pombal e culminará numa concentração junto à Assembleia da República.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.