|
A+ / A-

Protesto dos polícias

​Rui Pereira. “Forças de segurança têm razão para fazer reivindicações”

21 nov, 2019 - 14:21 • André Rodrigues , Cristina Nascimento

Antigo ministro da Administração Interna explica que principal problema para responder às reivindicações das forças de segurança passa pelas restrições financeiras do país.

A+ / A-

O antigo ministro da Administração Interna Rui Pereira reconhece que “os elementos das forças de segurança têm razão para fazer reivindicações”. Em declarações à Renascença, Rui Pereira reconhece, no entanto, que a culpa não é do ministro Eduardo Cabrita.

“Não vou dizer que o ministro da Administração Interna está desatento ou que não tem consideração por estas reivindicações. As dificuldades colocam-se sempre no plano das finanças”, diz o antigo governante, reportando-se ao tempo em que ocupava a tutela.

“Quando eu fui ministro da Administração Interna, na altura, negociámos estatutos para as forças de segurança que infelizmente não entraram logo em vigor e que, portanto, levaram a que os polícias também se manifestassem e fizessem reivindicações”, explicou.

Já no plano da ordem pública, Rui Pereira não exclui a possibilidade de eventuais perturbações junto à Assembleia da República. O antigo ministro diz, no entanto, confiar no bom senso dos manifestantes.

“Temos que nos habituar a uma nova realidade em que há movimentos inorgânicos não ligados ao sindicalismo ou associativismo tradicionais. De qualquer maneira, o movimento sindical e sócio profissional das forças de segurança estará atento ao decorrer da manifestação que ele próprio convocou”, refere.

A Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP) e pela Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) marcaram para esta quinta-feira uma manifestação que pretendem que seja a maior de polícias já alguma vez realizada em Portugal.

As forças de segurança reivindicam valorizações de carreira, de salários e condições de trabalho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Luis
    21 nov, 2019 La Redorte 19:16
    Que autoridade tem este senhor para dizer o que diz, se ja foi por duas vezes ministro da administraçao interna e nada fez em prol das forças policiais?Se o assunto nao fosse tao sério até dava para rir.Enfim,sao estes os politicos que acabamos por merecer, pois nos em certa medida também somos os culpados por termos os politicos que temos.