|
A+ / A-

Envelhecimento Ativo

Rock, jogos e inteligência artificial para envelhecer com saúde e qualidade de vida

20 nov, 2019 - 18:00 • Ana Carrilho

Três projetos que têm como objetivo promover a longevidade com maior qualidade de vida foram premiados esta quarta-feira no Congresso do Envelhecimento Ativo, em Coimbra.

A+ / A-

Faltam incentivos ao envelhecimento ativo no interior, onde há dois idosos por cada jovem e onde a tendência é de agravamento ao longo da próxima década. E se não se pode travar o envelhecimento, mais vale apostar na promoção da longevidade com saúde e com maior qualidade de vida.

Foi neste contexto que o Congresso do Envelhecimento Ativo, que decorreu esta quarta-feira em Coimbra, decidiu atribuir prémios a três projetos pensados com esse objetivo. Acesso a medicamentos para todos, independentemente das condições socioeconómicos dos idosos, o uso das técnicas de "gaming", com recurso a jogos de estimulação cognitiva, e rock protagonizado por pessoas com mais de 80 anos foram os projetos que mereceram a preferência do júri.

Na sua 3.ª edição, os Prémios de Boas Práticas de Envelhecimento Ativo e Saudável, promovidos pelo consórcio Ageing@Coimbra e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Centro, receberam este ano 160 candidaturas, mais 8% do que no ano passado, distribuídas por três categorias: Conhecimento+, Saúde+ e Vida+. Conheça os projetos vencedores.

Roqueiros aos 80

“A Voz do Rock”, da Gira Sol Azul, foi a boa prática premiada na categoria Vida+. O projeto foi criado há cinco anos no âmbito do Festival das Artes “Viseu A” para provar que é possível quebrar a barreira da idade e que, com vontade tudo se faz … até concertos de rock! A maior parte dos “artistas” são octogenários de Viseu que optam pelo rock e por canções que, geralmente, não se ouvem em vozes de pessoas mais idosas. De 2014 para cá o grupo não tem parado de crescer. Responderam ao desafio lançado a maiores de sessenta anos para se aventurarem num tipo de música que lhes poderia ser menos familiar. O reportório é composto por uma lista de temas indie e rock feitos em Portugal nas últimas décadas.

Jogos e inteligência artificial para atrasar a institucionalização de idosos

“Gamification Supporting Active and Assisted Living” (GameALL) foi o projeto distinguido na categoria Conhecimento +. Usa técnicas de “gaming” e inteligência artificial para promover hábitos e comportamentos mais saudáveis, além de facilitar as tarefas da família e cuidadores, mesmo à distância. Este sistema permite monitorizar tarefas diárias, com recurso a sensores ambientais e fisiológicos de forma não intrusiva e jogos de estimulação cognitiva. Segundo os promotores (Intellicare – Intelligent Sensing in Healthcare, lda e a Universidade de Coimbra – Coimbra Institute Biomedical Imaging and Translational Research), o sucesso no uso continuado do GameALL poderá prevenir ou atrasar a institucionalização dos doentes, melhorando a sua qualidade de vida, já que a sua atividade está continuamente a ser monitorizada. E em casos de desvios, os cuidadores são informados para poder agir.

Todos têm direito aos medicamentos de que precisam

O “Programa abem”, da Associação Dignitude, é de âmbito nacional mas, em concreto, na Região Centro tem 55 parceiros entre autarquias, IPSS, Misericórdias e a Cáritas, que referenciam os beneficiários.

O propósito do programa é garantir que todos os portugueses têm acesso aos medicamentos de que precisam, independentemente da sua condição socioeconómica. Ganhou o prémio na categoria Saúde +, das Boas Práticas de Envelhecimento Ativo e Saudável. Os medicamentos são comparticipados pelo Fundo Solidário abem, constituído totalmente pelos donativos angariados. Depois de referenciados, cada elemento do agregado familiar recebe um cartão abem, único e intransmissível e com ele pode dirigir-se a uma farmácia da rede. Na Região Centro há 216.

Os mais velhos também podem ser empreendedores

Promover o espírito empresarial e o empreendedorismo sénior, reconhecer aqueles que se aventuraram numa carreira empresarial numa fase mais avançada da vida e chamar a atenção dos decisores políticos para a importância desta área, criando incentivos, é o objetivo do prémio Empreendedor 50+ da Região Centro.

Este ano foi atribuído ao professor catedrático Fernando Seabra Santos, reitor da Universidade de Coimbra entre 2003 e 2011. Três anos depois fundou a empresa Friday – Ciência e Engenharia do Lazer, de que é CEO.

Região Centro na luta contra o envelhecimento

Dois idosos por cada jovem: é este o retrato da população da Região Centro, a segunda mais envelhecida do país, com um índice de envelhecimento (número de jovens em relação aos idosos) muito superior à média nacional (199 contra 159). Há 12 anos era 144 e todas as projeções apontam para um índice que deverá situar-se entre 243 e 263 idosos por cada 100 jovens dentro de uma década.

Em 67 dos 100 municípios da região, o número de idosos é mais do dobro dos jovens residentes e em 23 é mais do triplo. Um cenário que levou a região a criar, em 2012, o consórcio Ageing@Coimbra, que agrega diversas entidades, nomeadamente, a Administração Regional de Saúde, Câmara de Coimbra, Universidade e Hospital universitário, além da CCDR.

Um ano depois, a Comissão Europeia reconheceu o consórcio como “Região de Referência” no envelhecimento ativo e saudável, o que permitiu identificar, implementar e replicar boas práticas, desde a prevenção aos cuidados de saúde, empreendedorismo e inovação.

Em julho deste ano, o consórcio alargou-se à Cáritas Diocesana e à Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.

Em setembro, a Comissão Europeia elevou a classificação da “Região de Referência” e o Centro tornou-se uma das 25 regiões europeias que mostram ter estratégias abrangentes que envolvem a academia, empresas, autoridades governamentais e sociedade civil no desenvolvimento de práticas inovadoras para um envelhecimento ativo e saudável.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.