|
A+ / A-

WikiLeaks

Suécia abandona investigação a Assange por alegada violação

19 nov, 2019 - 13:18 • João Pedro Barros com Reuters

Fundador da WikiLeaks está atualmente detido no Reino Unido. Receava a extradição para a Suécia e, posteriormente, para os EUA, onde é acusado de espionagem.

A+ / A-

O Ministério Público da Suécia não vai prosseguir com a investigação e eventual acusação formal a Julian Assange, fundador da WikiLeaks, por uma alegada violação ocorrida em 2010.

A decisão, dada a conhecer esta terça-feira, foi tomada após as provas terem sido reanalisadas e consideradas insuficientes, informou a procuradora Eva-Marie Persson, citada pela Reuters. A decisão pode, no entanto, ser alvo de recurso.

Os factos ocorreram em agosto de 2010, após uma conferência da WikiLeaks em Estocolmo. Uma sueca de cerca de 30 anos acusou Assange, atualmente com 48, de a ter forçado a ter sexo desprotegido, apesar de o ter recusado por várias vezes.

O fundador da WikiLeaks, que negou sempre as acusações, cumpre atualmente pena no Reino Unido, por ter violado a liberdade condicional a que estava sujeito no país, tendo vivido refugiado na embaixada do Equador em Londres durante quase sete anos. Foi expulso e detido pela política britânica a 11 de abril deste ano.

O australiano, que era então investigado na Suécia por essa suposta violação, procurava evitar a extradição para a Suécia por temer que dali seria posteriormente extraditado para os Estados Unidos, onde enfrenta acusações de espionagem e uma pena de prisão até 170 anos pela divulgação de documentos secretos do Governo dos EUA.

Assange foi condenado a 1 de maio deste ano a 50 semanas de prisão no Reino Unido. Se cumprir a pena na totalidade, deverá ser libertado em abril de 2020.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.