|
A+ / A-

“Red Wednesday” junta várias cidades portuguesas pelos cristãos perseguidos

18 nov, 2019 - 14:00 • Filipe d'Avillez

A iniciativa é promovida pela fundação Ajuda à Igreja que Sofre e promete pintar de vermelho vários monumentos em todo o país, incluindo o Cristo Rei.

A+ / A-

São cinco as cidades portuguesas, de norte a sul, que no próximo dia 27 de novembro se juntam à iniciativa “Red Wednesday”, recordando assim os cristãos perseguidos pela sua fé.

Nesse dia, em várias partes do mundo, as cidades que se juntam a esta causa iluminam alguns dos seus principais monumentos de vermelho, em alusão ao sangue derramado pelos cristãos que sofrem pelas suas crenças.

Em Portugal os monumentos que marcam assim este dia serão o Cristo Rei, em Almada; o Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa; a Basílica dos Congregados e o Santuário de São Bento da Porta Aberta, em Braga e a Sé Catedral, em Bragança.

Em todos estes monumentos haverá ainda momentos de oração pelos cristãos perseguidos. A fundação AIS procura assim dar um sinal de que “no nosso país os cristãos perseguidos não são esquecidos”.

A iniciativa repete-se em vários países do mundo, no mesmo dia, incluindo na Alemanha, Chile, Estados Unidos, Austrália, Canadá, Reino Unido, Áustria, Holanda, Eslováquia, Filipinas e Itália.

Os cristãos são o grupo religioso mais perseguido no mundo, sobretudo em países do Médio Oriente e África. Este ano, porém, de acordo com o relatório sobre o assunto publicado em outubro pela AIS, o sítio mais perigoso para os cristãos tornou-se a Ásia Meridional e Oriental.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.