|
A+ / A-

Presidente do OSCOT. Reestruturação das forças de segurança pode ser resposta a fenómenos inorgânicos

15 nov, 2019 - 18:04 • Henrique Cunha

O presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo defende que uma reestruturação das forças de segurança poderá servir para dar resposta ao fenómeno dos movimentos inorgânicos que têm surgido do interior dos corpos policiais e pede um estudo sobre o tema.

A+ / A-

O presidente do Observatório de Segurança, Criminalidade Organizada e Terrorismo (OSCOT), António Nunes, defende que uma reestruturação das forças de segurança poderá servir para dar resposta ao fenómeno dos movimentos inorgânicos que têm surgido do interior dos corpos policiais e pede um estudo sobre o tema.

"Devíamos encarar um estudo, uma reflexão e uma reforma das forças e serviços de segurança. Aliás, não é inédito porque se nos recordamos, o primeiro-ministro quando foi ministro da Administração Interna, principiou - e bem - uma reforma das forças de segurança", diz António Nunes à Renascença.

"É preciso refletir muito sobre isto para perceber que algumas das respostas estarão nestas reestruturações, nestas reformas que são precisas e necessárias no tempo em que vivemos, que é um tempo mais curto na perspetiva das respostas, da capacidade de resposta a tudo aquilo que é risco para a tranquilidade publica", acrescenta.

O OSCOT "gostaria que, acima de tudo, houvesse uma disponibilidade para uma discussão ampla do ponto de vista do que devem ser as forças e os serviços de segurança em Portugal, nesta Europa com os riscos que hoje temos e que são diferentes dos de há vinte anos”.

Grupos inorgânicos, como é o caso do "movimento zero", que agrupa várias organizações do sistema de segurança interna,com expressão nas redes sociais eque já garantiu presença na manifestação de polícias marcada para dia 21.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.